Política

Alepi rejeita pedido de afastamento do secretário Daniel Oliveira

O afastamento seria até que fosse apurado o caso da criança encontrada com um preso acusado de estupro em uma das celas da Colônia Agrícola Major César Oliveira, no sábado (30).
VITOR FERNANDES
04/10/2017 15h34 - atualizado

O deputado Robert Rios (PDT) fez um requerimento à Assembleia Legislativa do Piauí pedindo o afastamento imediato do secretário de Justiça do Piauí, Daniel Oliveira, até que fosse apurado o caso dacriança encontrada com um preso acusado de estupro em uma das celas da Colônia Agrícola Major César Oliveira, no sábado (30). Por 13 votos contra, três votos a favor e uma abstenção, a Alepi rejeitou a solicitação.

  • Foto: AlepiDeputado Robert Rios (PDT).Deputado Robert Rios (PDT).


O autor do requerimento justificou que o caso da criança repercutiu na mídia nacional e internacional e que por isso o secretário deveria ser afastado até que fosse apurada a responsabilidade pelo fato. Com Robert Rios votaram os deputados Firmino Paulo (PSDB) e Juliana Moraes Souza (PMDB). O deputado Dr. Pessoa Leal (PSD) se absteve.

  • Foto: Isabela de Meneses/ViagoraSecretário de Justiça Daniel OliveiraSecretário de Justiça Daniel Oliveira


O deputado Dr. Hélio Oliveira (PR) afirmou que nestes três anos de mandato tem assistido sistematicamente o deputado Robert Rios criticando o governo com requerimentos e denúncias sem fundamentação ou prova. O pedetista rebateu dizendo que, entre agradar a primeira-dama e o governo, vai continuar na trincheira da oposição.

  • Foto: AlepiDeputado Hélio Oliveira (PR).Deputado Hélio Oliveira (PR).

O líder do governo deputado João de Deus (PT) encaminhou voto contrário ao requerimento alegando que não houve qualquer negligência de parte da Secretaria de Justiça. Ele disse que há procedimentos investigatórios em andamento, acompanhados pela Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Piauí, e pela Promotoria da Infância e da Juventude.

  • Foto: Ascom/AlepiJoão de DeusJoão de Deus


Robert Rios anunciou que vai denunciar o fato às cortes internacionais de direitos humanos e de defesa da criança e do adolescente.