Piauí

Audiência no TCE-PI discute aplicação de recursos do Fundeb

Todos os conselheiros e representantes dos órgãos de controle presentes à audiência pública concordam que os recursos devem ser destinados à educação.
VITOR FERNANDES
04/09/2017 17h08 - atualizado

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) realizou nesta segunda-feira (04) uma audiência para discutir o desbloqueio e a aplicação de recursos do Fundeb, antigo Fundef, pagos a municípios piauienses mediante ações judiciais contra a União. O evento teve por finalidade ouvir todos os envolvidos e interessados no assunto, para ver a forma mais justa e melhor de aplicar os recursos.

  • Foto: Divulgação/TCE-PIAudiência pública no TCE-PI sobre a aplicação dos recursos do Fundef pelos municípios.Audiência pública no TCE-PI sobre a aplicação dos recursos do Fundef pelos municípios.

O dinheiro é referente a repasses pagos a menos pela União entre 1998 e 2006, período de vigência do Fundef, e foi objeto de ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal (MPF) e já transitada em julgado, mandando a União indenizar os municípios que não receberam a totalidade dos recursos.

Hoje, 24 municípios piauienses têm recursos do Fundeb bloqueados pelo TCE-PI por conta da indefinição e de divergências sobre a forma de aplicação do dinheiro. O conselheiro-substituto Alisson Araújo foi escolhido relator de processo que tentará unificar as posições dos representantes dos órgãos de controle e dos dirigentes dos sindicatos e outras entidades que se manifestaram durante a audiência. Esse relatório será elaborado e submetido ao Pleno do TCE-PI para votação.

Para Alisson Araújo o ponto central do relatório é a definição dos percentuais a serem destinados a investimentos nas escolas e ao pagamento de professores. Todos os conselheiros e representantes dos órgãos de controle presentes à audiência pública concordam que os recursos devem ser destinados à educação. Decisão recente do Tribunal de Contas da União (TCU) diz que os recursos do Fundeb devem ser destinados em sua totalidade à educação, mas não define percentuais de aplicação em investimentos e pagamento de professores.

Participaram da audiência pública representantes do TCU-PI, Controladoria-Geral da União, Ministério Pùblico Federal, OAB-PI, APPM, Procuradoria Geral do Município de Teresina, Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Piauí (Sinte-PI), Sindicato dos Servidores Municipais de Teresina (Sindserm) e outras entidades.