Polícia

Candidato é preso com gabarito da prova do concurso da PM do Piauí

Segundo o delegado Genival Vilela o rapaz recebeu o gabarito às 12h49 via mensagem de texto no aparelho celular, que estava escondido no tênis do candidato.
ISABELA DE MENESES
10/07/2017 09h44 - atualizado

Nesse domingo (09) durante a aplicação da prova escrita do concurso da Polícia Militar do Piauí, em Teresina, o delegado Genival Vilela do Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco), flagrou um candidato com o gabarito, que estava escondido em um aparelho celular no tênis do rapaz, que não teve o nome revelado.

O delegado relatou ao Viagora que resolveu fazer uma ronda com sua equipe no Campus Torquato Neto da Universidade Estadual do Piauí, já no final da aplicação da prova, quando entrou em uma das salas e viu o candidato ainda preenchendo o gabarito por volta das 13h01. Nesse momento percebeu que o rapaz estava fazendo um gesto suspeito, como quem tenta esconder alguma coisa.

“Ele fez um gesto com as mãos como se estivesse ocultando algo. Tudo bem, eu deixei ele entregar o gabarito dele e depois a gente levou ele para uma sala que não tinha ninguém. A gente foi fazer uma busca nele e ele tinha um celular no tênis, a gente olhou o celular e tinha o gabarito, então ele foi conduzido. O gabarito foi enviado por SMS. Normalmente essas fraudes são por SMS”, disse o delegado Genival.

  • Foto: DivulgaçãoGrecoGreco

Ainda segundo o delegado, o rapaz recebeu o gabarito às 12h49, provavelmente por isso estava atrasado para preencher o gabarito. Também disse que a prova dele estava praticamente intacta, sem alternativas marcadas, apenas na página 6 havia o gabarito escrito, o mesmo gabarito que ele recebeu por SMS e passou para a folha de gabarito oficial, o que demonstra que talvez ele apenas estivesse esperando receber as respostas.

No momento a polícia está investigando de quem o rapaz recebeu a SMS com o gabarito. Durante o concurso cerca de 17 pessoas foram conduzidas por algum comportamento suspeito ou prática não permitida, como porte de celular. As investigações são de responsabilidade do delegado Kleydson Ferreira, do Greco.

Mais conteúdo sobre: