Polícia

Cinco envolvidos em fraudes em licitações ainda estão foragidos

Além dos empresários, foram conduzidos coercitivamente 35 pessoas, que atuavam como ‘laranjas’ dentro da quadrilha.
MARCOS CUNHA
10/04/2017 16h07 - atualizado

Na manhã dessa segunda-feira (10), o Grupo Especial de Atuação de Combate ao Crime Organizado (GAECO) fez um balanço da Operação Escamoteamento, que investigou a atuação de empresas de fachada envolvidas em fraudes na Prefeitura de Cocal, no Piauí, e cidades do Ceará e Maranhão. Até agora, oito envolvidos estão presos e cinco ainda seguem foragidos.

  • Foto: DivulgaçãoOperação EscamoteamentoEnvolvidos na operação Escamoteamento

As empresas investigadas fechavam contratos de grande valor com prefeituras do Piauí, para a realização obras nas cidades, mas no fim das contas não havia a devida prestação do serviços para os quais foram contratadas.

Além dos empresários, foram conduzidos coercitivamente 35 pessoas, que atuavam como ‘laranjas’ dentro da quadrilha, recebendo partes do dinheiro movimentado pelas empresas. O Núcleo de ‘Laranjas’ era composto por pessoas ligadas a Administração Municipal.

Em um dos casos citados, uma zeladora da cidade de Cocal atuou como ‘laranja’, e chegou a receber cerca de 67 mil reais, provenientes do depósito de duas empresas investigadas.

  • Foto: DivulgaçãoEmpresas investigadas na operação EscamoteamentoEmpresas investigadas na operação Escamoteamento

A operação está sendo desenvolvida pelo GAECO, do Ministério Público do Estado, em parceria com a Polícia Rodoviária Federal, Tribunal de Contas da União, Controladoria Geral da União e Tribunal de Contas do Estado. Foram cumpridos mandados de prisão e condução coercitiva dos empresários que atuavam nas cidades de Cocal, Buriti dos Lopes e outras. A operação segue, no sentido de cumprir os mandados dos suspeitos que ainda não foram presos. 

Mais conteúdo sobre: