Esportes

Estádio do Vasco é interditado devido à violência no último jogo

O pedido de interdição foi deferido nesta segunda-feira (10).
JOSEFA GEOVANA
11/07/2017 15h53 - atualizado

Devido à confusão ocorrida no estádio São Januário, no jogo entre Vasco e Flamengo, que aconteceu no último sábado (07), o Vice-Presidente do Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Futebol (STJD), Paulo César Salomão Filho, deferiu nesta segunda-feira (10) o pedido de interdição do estádio.

Na denúncia, foram destacados as cenas protagonizadas por torcedores do Vasco, mandante da partida. A briga envolveu dezenas de torcedores, que durante a partida arremessaram cadeiras, bombas, vergalhões, e vários outros objetos, para impedir a saída do time adversário, da arbitragem, e também da imprensa,  agindo com violência e agressividade também contra a Polícia Militar. Durante o tumulto, duas policiais foram agredidas por seis torcedores.

Os torcedores chegaram a invadir as cabines destinadas à cobertura da partida pela imprensa, em vídeos e matérias divulgadas pela mídia, os profissionais relatam as agressões e ameaças feitas pelos torcedores do Vasco.  Com a invasão a Procuradoria entendeu que o artigo 211 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) foi infligido, pois o local não teve infraestrutura necessária para garantir a segurança dos torcedores e dos profissionais de imprensa que estavam em local reservado. A violação do artigo prevê multa de até R$ 100 mil.

Conforme o artigo 63 do Regulamento Geral das Competições e no Código da FIFA, o Vasco da Gama é responsável pelos atos praticados por sua torcida. Segundo a Procuradoria, o clube tomou medidas insuficientes para a repressão e fiscalização dos infratores, assumindo o riscos, e com isso o clube estará sujeito a pagar uma multa entre R$100 e R$100 mil, e punido com a perda de até 10 mandos de campo, por cada ato.

Paulo César Salomão Filho, pediu a liminar e destacou uma grave falha de segurança, que pôs em risco os torcedores presentes e os profissionais que aturam na partida. Também destacou a falha na infraestrutura do estádio por não possuir barreiras para impedir a passagem de torcedores ao local em que estava os profissionais de imprensa.

O estádio será vistoriado pela CBF, através do Comitê Nacional de Inspeção de Estádios (CNIE), e será liberado somente após a apresentação de laudos obrigatórios que comprovem o pleno funcionamento do estádio e da segurança de torcedores, jogadores, imprensa, conforme o artigo 14 do RGC/CBF 2017.