Política

Ex-marqueteiros de Dilma e Lula têm sigilo de delações quebrado

Segundo investigações da Lava Jato, há indícios que João Santana teria recebido US$3 milhões de offshores ligadas à Odebrecht, e US$ 4,5 milhões do engenheiro Zwi Skornicki.
VITOR FERNANDES
11/05/2017 16h17 - atualizado

O casal de marqueteiros que atuaram em campanhas petistas, Mônica Moura e João Santana, tiveram o sigilo de suas delações premiadas retirado pelo ministro relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin. Eles são acusados de recebimento de dinheiro de caixa 2.

  • Foto: Rodolfo Buhrer/ReutersJosé Santana e Mônica MouraJosé Santana e Mônica Moura

João Santana e Mônica Moura trabalharam na campanha da ex-presidente Dilma Rousseff, (2010 e 2014) e do ex-presidente Lula, (2006). Os dois foram presos em fevereiro de 2016 e soltos em agosto desse ano.

A defesa dos marqueteiros pediram a delação premiada em abril desse ano, o que foi aceitado pelo Ministério Público. O processo está no STF por envolver pessoas com foro privilegiado. Eles foram condenados pelo juiz Sérgio Moro, responsável pela primeira instância da operação Lava Jato, a oito anos e quatro meses por lavagem de dinheiro.

Apesar da retirada do sigilo das delações dos marqueteiros, o documento com as delações ainda não foi disponibilizado no sistema do Supremo.

Segundo investigações da Lava Jato, há indícios que João Santana teria recebido US$3 milhões de offshores ligadas à Odebrecht, entre 2012 e 2013, e US$ 4,5 milhões do engenheiro Zwi Skornicki, entre 2013 e 2014. O casal confirmou que esse último valor foi recebido através de caixa 2 para a campanha presidencial da ex-presidente Dilma, em 2010.

O ministro também retirou o sigilo da delação de André Luis Santana, funcionário do casal.

Mais conteúdo sobre: