Política

Heráclito recebe Temer em casa para almoço não oficial

O encontro não foi divulgado na agenda oficial do presidente.
RAYANE TRAJANO
30/06/2017 07h56

O deputado Heráclito Fortes recebeu o presidente em sua casa, nessa quinta-feira (29), para um almoço descontraído, sem assuntos oficiais. O encontro não foi divulgado na agenda oficial do presidente.

De acordo comO Globo, Heráclito esteve no Palácio do Planalto no fim da manhã, para um evento de um ano da lei das Estatais. Ao ver o deputado, Temer fez um sinal de que queria conversar em particular.

Em seu gabinete, Temer chamou Heráclito para almoçar no Jaburu, mas o deputado disse que em casa teria a “quinta sem lei”, com rabada e paçoca. “Rapaz, eu adoro rabada, posso ir?”, perguntou Temer.

  • Foto: DivulgaçãoHeráclito e TemerHeráclito e Temer

Enquanto o presidente almoçava com Heráclito, adenúncia contra ele era protocolada na Câmara dos Deputados. No almoço Temer comentou sobre a escolha de Raquel Dodge para substituir Rodrigo Janot a partir de setembro. O presidente disse que não a conhecia, mas que teve conversa com ela e ficou impressionado com sua qualificação.

O presidente falou ainda sobre a decisão de Janot em fatiar as denúncias, como estratégias de desgaste político na base do governo. O peemedebista ressaltou que se a segunda denúncia for encaminhada, será somente em agosto e não dá para esperar para juntar as duas em uma mesma votação. Assim, seria melhor, segundo ele, derrubar a primeira denúncia com um quórum expressivo de deputados.

“Se fosse um advogado, poderíamos chamar essa estratégia do Janot de chicana jurídica, para atrapalhar o processo. O desmembramento em duas ou três ações é claramente um ato político contra o país. O ideal era que resolvêssemos isso logo, mas se tivermos um bom resultado na derrota da primeira denúncia, as outras vão perder força” disse Temer na conversa.

Também participaram do almoço, o líder do PMDB na Câmara, Baleia Rossi (SP), os deputados Benito Gama (PTB-BA) e Carlos Marum (PMDB-MS), o senador Elmano Ferrer (PMDB-PI), vice-presidente do Banco do Brasil, Eduardo Pereira, e o prefeito de Bom Jesus, Marcos Elvas.

Mais conteúdo sobre: