Piauí

Kátia Arruda diz que “trabalho infantil é um círculo da pobreza”

92% dos adultos que foram resgatados do trabalho forçado, trabalharam na infância.
06/05/2017 09h49 - atualizado

“O trabalho infantil faz com a criança continue na pobreza quando crescer. É um círculo da pobreza”. A afirmação contundente é da ministra do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Kátia Magalhães Arruda, feita durante a palestra de abertura do III Seminário de Combate ao Trabalho Infantil, realizado pelo TRT-PI nessa sexta-feira (05).

A ministra, que é Coordenadora do Programa Nacional de Combate ao Trabalho Infantil do TST, abordou o tema “Erradicação do Trabalho Infantil: uma questão essencial aos direitos humanos”.

Ela explicou que dados da Pesquisa Nacional de Amostrados por Domicílio, do IBGE, revelam que crianças que começam a trabalhar com menos de 14 anos de idade terão uma renda média de R$ 1.000,00 quando forem adultas. Já as crianças que começam a trabalhar com menos de 9 anos de idade terão uma renda inferior a R$ 500,00 por mês. 

“Precisamos acabar com esse história que existe meritocracia num pais injusto como é o Brasil. Não podemos nos enganar. Não existem as mesmas condições de igualdade e oportunidades para as crianças”, destacou a ministra Kátia Magalhães.

Atualmente existem cerca de 3,3 milhões de crianças e adolescentes em situação de exploração no Brasil. No Piauí, os casos mais comuns de exploração de crianças estão no trabalho doméstico, agricultura familiar e exploração sexual.

  • Foto: Divulgação/TRT-PIMinistra do TST, Kátia Magalhães ArrudaMinistra do TST, Kátia Magalhães Arruda

De acordo com a ministra Kátia Magalhães Arruda, 92% dos adultos que foram resgatados do trabalho forçado, análogos ao da escravidão, trabalharam na infância. Esses dados comprovam como o trabalho infantil é danoso para o desenvolvimento humano, econômico e social do Brasil.

O desembargador Francisco Meton Marques de Lima, coordenador regional do Programa de Combate ao Trabalho Infantil no TRT-PI, destacou a importância de combater o trabalho como forma de proporcionar o desenvolvimento do Brasil. “O trabalho infantil influencia diretamente o Índice de Desenvolvimento Humano. Ele perpetua a pobreza”, frisou.

Mais conteúdo sobre: