Piauí

Médicos do estado irão paralisar atividades de 4 a 6 de julho

O Sindicato dos Médicos do Estado do Piauí (SIMEPI) informa que os médicos não têm ponto eletrônico devido especificidades do trabalho.
VITOR FERNANDES
30/06/2017 11h19 - atualizado

O Sindicato dos Médicos do Estado do Piauí (SIMEPI) informou que os médicos servidores públicos do Estado irão paralisar as atividades de 4 a 6 de julho devido a cortes de salários relativos a dez dias de trabalho. Os atendimentos de urgência e emergência serão mantidos.

Esse corte no salário seria uma retenção de salário, o que, segundo o Sindicato, configura um grave abuso de autoridade e improbidade administrativa por parte dos secretários de Administração e Saúde. Ainda segundo o SIMEPI, o corte atingiu servidores de férias, mesmo aqueles que teriam comprovado o trabalho durante todo o mês, através de folhas de frequência, fichas de atendimento e de procedimentos, foram feitos os cortes. 

  • Foto: SimepiRepresentantes do SimepiRepresentantes do Simepi

Sobre o ponto eletrônico dos médicos, o sindicato alega que a aferição do trabalho médico por meio de metas foi um acordo previamente estabelecido com as secretarias de administração e saúde, o que teria sido formalizado pela portaria SESAPI/GAB n.138/2011, por conta de especificidades do trabalho médico que justificariam a não obrigatoriedade de ponto eletrônico para procuradores, defensores e promotores.

A paralisação será dos atendimentos eletivos, consultas e procedimentos, com concentração às 7 horas na próxima terça-feira (04), no Ambulatório Azul do Hospital Getúlio Vargas. Uma Assembleia Geral está marcada para o último dia de paralisação, quinta-feira (06), às 19 horas, no SIMEPI, para conhecimento de providências a serem tomadas.