Piauí

MP cobra segurança em brinquedos do shopping Rio Poty após acidente

Uma consumidora quebrou dois dedos ao utilizar um escorregador inflável na atração “Safari de Bolinhas”, do parque de diversões Magic Games no shopping.
VITOR FERNANDES
06/10/2017 14h01 - atualizado

Uma consumidora quebrou dois dedos ao utilizar um escorregador inflável na atração “Safari de Bolinhas”, do parque de diversões Magic Games do Shopping Rio Poty, em fevereiro deste ano. De acordo com a consumidora, as costuras que sustentavam a estrutura estavam desfeitas.

De ciência desse acontecimento, o Ministério Público do Piauí celebrou termo de ajustamento de conduta (TAC) com a empresa para melhorias na segurança dos brinquedos, com base em procedimento preparatório que foi instaurado para apurar o caso. 

  • Foto: Divulgação/Rio PotySafari de bolinhasSafari de bolinhas

Em reunião realizada ontem (03), sob a coordenação da Promotoria de Justiça Maria das Graças do Monte Teixeira, a representante da empresa responsável se comprometeu a apresentar alvará de funcionamento expedido pela Prefeitura Municipal de Teresina.

Em cada brinquedo, deve ser afixada placa em que conste o número do laudo de vistoria, as datas da última e da próxima manutenção, assim como os eventuais riscos de utilização do equipamento. A empresa também está obrigada a tomar todas as medidas cabíveis para amparar as vítimas do acidente ocorrido no Safari de Bolinhas, encaminhando comprovação ao Ministério Público. Todas as providências devem ser executadas no prazo máximo de 60 dias. 

  • Foto: DivulgaçãoMinistério Público firma acordo com administradora de parque de diversões do shopping Rio Poty.Ministério Público firma acordo com administradora de parque de diversões do shopping Rio Poty.

A administração do Rio Poty Shopping se comprometeu a fiscalizar a regularidade dos alvará de funcionamento das atrações propostas pela Magic Games. 

O descumprimento injustificado de qualquer das cláusulas do TAC resultará na aplicação de multa de R$ 2 mil por compromisso desrespeitado. O montante eventualmente apurado será revertido ao Fundo Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor.