Piauí

MP investiga emissão de cheques sem fundos na Câmara de Alto Longá

O Ministério Público determinou que o ex-presidente da Câmara, João Batista Rodrigues, seja notificado para que comprove o ressarcimento aos cofres públicos.
ISABELA DE MENESES
17/08/2017 07h32 - atualizado

A promotora do Ministério Público do Estado do Piauí, Deborah Abbade Brasil de Carvalho, determinou a prorrogação do prazo para que o ex-presidente da Câmara Municipal de Alto Longá, João Batista Rodrigues, comprove as dívidas que ocasionaram a emissão de cheques no exercício de 2010. A decisão é do dia 08 de agosto.

O Ministério Público considerou que o Tribunal de Contas do Estado do Piauí promoveu a análise das contas do município no exercício financeiro de 2010 e detectou a emissão de cheques sem provisão de fundos pela Câmara Municipal.

  • Foto: Street ViewCâmara Municipal de Alto LongáCâmara Municipal de Alto Longá

Dois cheques sem provisão de fundos no valor de R$ 910,00 (novecentos e dez reais). O que acarretou desperdício aos cofres públicos no valor de R$ 41,10 em multas e taxas.

Assim, o Ministério Público determinou que o ex-presidente da Câmara, João Batista Rodrigues, seja notificado para que comprove o ressarcimento aos cofres públicos, provando a origem e quem realizou o depósito.