Piauí

Pacientes com HIV/Aids podem realizar preenchimento facial no HGV

O HGV é o hospital do estado credenciado pelo Ministério da Saúde (MS) para realizar o procedimento.
VITOR FERNANDES
08/06/2017 17h34 - atualizado

Pacientes com lipodistrofia portadores de HIV/Aids agora contam com serviço de preenchimento facial oferecido pela Clínica Dermatológica do Hospital Getúlio Vargas (HGV) em parceria com a Fundação Municipal de Saúde.

Segundo o coordenador da Dermatologia do HGV, Jesuíto Montoril, os atendimentos fazem parte de um projeto do Ministério da Saúde que objetiva recuperar as alterações, chamadas lipodistrofias, que ocorrem no rosto de pacientes com HIV/Aids, geradas pelas modificações de distribuição de gordura na face, por conta do uso de antirretrovirais durante longo período.

  • Foto: Street ViewHospital Getúlio VargasHospital Getúlio Vargas

"As lipodistrofias podem ser causadas pela diminuição ou aumento da gordura sob a pele. O público alvo são pacientes portadores do retrovírus que recebem acompanhamento médico especializado, apresentam alterações e recebem indicação para avaliação pelo dermatologista do projeto", orientou o coordenador.

O dermatologista responsável pelo serviço, Vinícius Meneses, disse que o tratamento ajuda na reestruturação psicossocial dos pacientes portadores de HIV/Aids que sofrem com a síndrome lipodistrófica facial.

Vinícius afirmou que sempre às terças-feiras são realizados seis atendimentos, sendo três avaliações e três sessões de preenchimento facial. "O número de sessões para a aplicação do PMMA varia de paciente para paciente, pois depende da gravidade do comprometimento facial”, explica.

O HGV é o hospital do estado credenciado pelo Ministério da Saúde (MS) para realizar o procedimento.

Mais conteúdo sobre: