Piauí

Paralisação desta sexta-feira deixa teresinenses sem ônibus

Na Avenida Frei Serafim, um dos principais corredores de tráfego da capital, os passageiros esperam desde cedo pelos coletivos que não estão circulando nem uma quantidade mínima.
RAYANE TRAJANO E ISABELLA DE MENESES
28/04/2017 08h38 - atualizado

A adesão de motoristas e cobradores de ônibus à greve geral desta sexta-feira (28), está afetando a rotina de centenas de trabalhadores que decidiram não participar do movimento.

Na Avenida Frei Serafim, um dos principais corredores de tráfego da capital, os passageiros esperam desde cedo pelos coletivos que não estão circulando nem uma quantidade mínima.

  • Foto: Isabela de Meneses/ViagoraPassageiros na Frei SerafimPassageiros na Frei Serafim

Na zona sul de Teresina, alguns ônibus do bairro Saci, por exemplo nem chegaram a sair da parada final.

Os estudantes e trabalhadores que conseguiram se deslocar dos bairros até o centro, enfrentam longas esperas. Um jovem que relatou que está há quase uma hora em uma das paradas da Frei Serafim e nesse intervalo só viu alguns ônibus que fazem linha para a zona sul da capital.

  • Foto: Isabela de Meneses/ViagoraParada final do bairro SacIParada final do bairro SacI

Greve geral

O movimento de greve geral organizado nacionalmente pela Central Única dos Trabalhadores convoca trabalhadores para paralisar totalmente as atividades nesta sexta-feira, 28 de abril. Os motivos, segundo a organização, é protestar contra as reformas Trabalhista e Previdenciária e as recentes mudanças propostas pelo Governo Temer.

De acordo com a CUT no Piauí, doze categorias confirmaram adesão ao movimento no Estado, entre eles, policiais civis, comerciários, professores, bancários e servidores dos Correios.

A previsão é que a partir das 10h, os manifestantes iniciem caminhada pelas ruas do centro de Teresina. No início da manhã, os trabalhadores estão reunidos na Praça Rio Branco e Praça da Bandeira.