Piauí

Parceria visa facilitar as doações de órgãos em Teresina

O acordo é baseado em regras do Ministério da Saúde e do Conselho Federal de Medicina.
ISABELA DE MENESES
18/03/2017 15h49 - atualizado

Uma parceria buscando agilizar a realização e a conclusão de protocolos de morte cerebral no HUT foi fechada por gestores e médicos da Fundação Municipal de Saúde (FMS), do Hospital de Urgência de Teresina (HUT) e da Secretária Estadual de Saúde, em Teresina. O acordo é baseado em regras do Ministério da Saúde e do Conselho Federal de Medicina.

A neurologista do HUT, Aline Aguiar, disse que é uma decisão pioneira. "A grande importância dessa parceria é que vamos ter uma equipe de neurologistas do HUT só para diagnóstico de morte cerebral. Uma decisão pioneira no Estado. Será o primeiro hospital que vai ter uma equipe para isso".  

Segundo Aline o diagnóstico de morte cerebral é feito através de um protocolo que se constitui de três testes: são duas avaliações clínicas, sendo que uma delas tem que ser feita por um neuroespecialista e uma parte gráfica com exame confirmatório. "Esse exame precisa ser de rotina em todos os pacientes que tem essa suspeita de morte cerebral e agora vamos ter uma equipe para realização desse exame dentro do hospital”, contou a neurologista.

  • Foto: Divulgação/AscomreuniãoReunião com a presença do Secretário Silvio Mendes.

Com o aumento de diagnósticos de pacientes com morte cerebral, também aumenta a informação às famílias que desejem doar órgãos. Hoje o HUT é o hospital com maior possibilidade de captação de órgãos. Em 2016, o Piauí fez 142 transplantes de córnea e 17 de rins. Esses são os transplantes realizados no Estado atualmente. Já os outros órgãos são encaminhados a outras cidades através da Central de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos e Tecidos para Transplante (CNCDO PI) que hoje é ligado à Secretaria de Saúde do Estado.

Na fila hoje para transplante de córnea existem 383 pacientes e 310 esperando por um rim. De 2009 a 2016, o HUT encaminhou 413 pacientes para doações de córneas e 65 para doações de múltiplos órgãos.

A intenção é que protocolo de morte cerebral mais ágil diminua o tempo de espera dos familiares com parentes suspeitos de morte cerebral, “Assim nós vamos melhorar a assistência à população daquele hospital e dá a oportunidade a família daqueles pacientes de ter um diagnóstico mais precoce e tentar diminuir o sofrimento e o tempo do paciente que está em morte cerebral no hospital.” afirmou o Secretário Municipal de Saúde, Sílvio Mendes.