Política

PGR quer incluir Mantega e Palocci em inquérito de delações

O pedido feito por Janot ao STF adiciona 11 pessoas na investigação.
GABRIEL SOARES
23/06/2017 11h51 - atualizado

O procurado geral da República, Rodrigo Janot, solicitou a inclusão de onze pessoas como investigadas em um inquérito que apura a compra de horário gratuito de TV para a campanha Dilma/Temer. O pedido encaminhado ao Supremo Tribunal Federal (STF). Entre os acusados, há ex-ministros de governos do PT.

  • Foto: José Cruz/Agência BrasilRodrigo JanotRodrigo Janot

Conforme a Agência Brasil, a lista de Janot inclui os ex-ministros da Fazenda Guido Mantega e Antonio Palocci; da Secretaria de Comunicação Edinho Silva; do Trabalho Carlos Lupi; e o publicitário responsável pela campanha de 2014, João Santana. Já é investigado no inquérito o atual ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Manoel Araújo.

O inquérito surgiu dos acordos de delações premiadas de executivos e ex-funcionários da Odebrecht. Os delatores afirmam que o ex-tesoureiro da campanha de Dilma/Temer à eleição, Edinho Silva, solicitou uma propina de R$ 7 milhões à empresa para garantir apoio político dos partidos que faziam parte da coligação da chapa.

“Os valores supostamente pagos pela Odebrecht aos presidentes dos partidos mencionados foram debitados na Planilha Italiano, que era o instrumento pelo qual o grupo controlava a propina devida ao Partido dos Trabalhadores em razão das negociações espúrias”, afirmou Janot na petição.

O procurador-geral da República solicitou ainda interrogatórios dos ex-presidente Luíz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff e de outras sete pessoas envolvidas no processo. O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no STF, deve definir a possível inclusão dos novos investigados no inquérito.