Polícia

PM garante mil policiais para segurança de concurso após fraudes

O anúncio foi feito pelo comandante-geral da PM, coronel Carlos Augusto, durante audiência nesta quinta-feira (01).
MARCOS CUNHA
01/06/2017 15h02 - atualizado

A Polícia Militar do Piauí vai colocar cerca de mil policiais para fiscalizar a nova aplicação do concurso da PM, que foi marcado para o próximo dia 9 de julho, após serem constatadas fraudes e vazamentos de questões. O anúncio foi feito pelo comandante-geral da PM, coronel Carlos Augusto, durante audiência nesta quinta-feira (01).

“Eu tenho 500 alunos no CFAP no curso de sargento, e mais os 330 policiais que estavam no concurso anterior, junto ao pessoal do serviço reservado vai dar cerca de mil pessoas na segurança do concurso, vai ser bem movimentado”, repassou o coronel.

  • Foto: Isabela de Meneses/ViagoraComandante-Geral da Polícia Militar Coronel Carlos AugustoComandante-Geral da Polícia Militar, coronel Carlos Augusto

A audiência pública em questão foi realizada na sala da Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa do Piauí, visando debater as fraudes ocorridas em concursos organizados pelo Núcleo de Concursos e Promoção de Eventos (Nucepe), da Universidade Estadual do Piauí (Uespi).

O reitor da Uespi, Nouga Cardoso, reafirmou que não houve vazamento de gabaritos das provas dos concursos organizados pelo Nucepe e que não há indícios de que as fraudes tenham ocorrendo dentro daquele órgão. O presidente do Nucepe, Pedro Soares, afirmou que o órgão que estão sendo adotadas medidas para evitar que os novos certames sejam prejudicados pelos fraudadores.

Ainda de acordo com Carlos Augusto, durante a audiência foram sugeridas alterações na legislação para evitar novas fraudes em futuros concursos, como a obrigatoriedade de aplicação de redação nas provas.

“Foi sugerido mudanças na legislação, como foi sugerido que os próximos concursos terão redação como obrigatoriedade, porque mesmo que a pessoa consiga com fraude responder uma fase, mas na redação ela não passa, porque ninguém faz pelo outro”, conta o comandante.

A audiência pública foi presidida pelo deputado Wilson Brandão(PSB), presidente da Comissão de Administração Pública e Política Social, e contou ainda com a participação do promotor Fernando Santos, representando o Ministério Público Estadual, do delegado geral da Polícia Civil, Riedel Batista, além de vários parlamentares estaduais.