Piauí

Prefeito Herbert Silva é denunciado por nomear familiares e aliados

Na quinta-feira (17), o conselheiro Jackson Veras determinou que o prefeito seja notificado e apresente defesa sobre o caso no prazo de 15 dias.
JOSEFA GEOVANA
18/08/2017 20h01 - atualizado

Os vereadores Cristiane Santos Carvalho e José Viana do Nascimento, encaminharam uma denúncia ao Tribunal de Contas do Estado do Piauí (TCE), solicitando que o órgão tome providências e fiscalize as licitações e contas da Prefeitura de Ilha Grande do Piauí, que tem como prefeito Herbert Silva. A representação foi protocolada no dia 15 de agosto. 

De acordo com os parlamentares, durante o mandato do atual prefeito Herbet Morais e Silva algumas irregularidades estão acontecendo. Eles denunciam que alguns cargos públicos estão sendo ocupados por parentes do prefeito e de políticos aliados, e que muitos recebem a remuneração sem ao menos comparecer ao trabalho.

  • Foto: DivulgaçãoHerbert Moraes e silvaHerbert Moraes e Silva

Os vereadores afirmaram que os valores pagos em algumas contratações não são divulgados no Diário Oficial dos Municípios e que há alguns anos as licitações são vencidas pela mesma empresa de serviços gráficos pertencente a Guilherme Alencar de Carvalho.

São citados o nome de Tiana Moreira Dias da Silva (nora do prefeito) que trabalha como diretora em uma escola técnica na qual o prédio possui convênio com a prefeitura. Também consta o nome de Jessé Cunha dos Santos (genro), que exerce o cargo de secretário na Secretaria de Obras; Antônio José Carvalho de Farias (sogro), chefe de departamento de habitação e regularização fundiária na Secretaria de Obras; Tatiana de Sousa Farias (cunhada), chefe da divisão de defesa civil na Secretaria de Obras e o motorista Maciel (marido de Tatiana Farias), que é irmão do Vereador Marquinhos, que tem outro irmão trabalhando na Secretaria de Turismo.

A denúncia também alega que Marlene Maria Rodrigues de Souza e seu filho Necal, são mãe e irmão da vereadora Arady Rodrigues de Souza, e exercem cargos na Secretaria de Saúde, na qual Marlene Maria é acusada de reservar vagas de consulta para eleitores da filha, impedindo que outras pessoas consigam ser atendidas. Além disso, uma cunhada da vereadora Arady ocupa um cargo na prefeitura na qual as portarias não aparecem no Diário Oficial, de acordo com os denunciantes. 

Os vereadores relataram que foram enviados ao prefeito Hebert dois ofícios, um em abril e outro em maio de 2017, solicitando a relação de servidores da prefeitura e o valor que cada um recebe pelo exercício da função. Eles afirmam que o acesso ao ofício foi dificultado através de um decreto do próprio prefeito que burocratizou o acesso aos documentos.

O conselheiro responsável pelo caso é Jackson Nobre Veras. Na quinta-feira (17), o conselheiro determinou que o prefeito seja notificado e apresente defesa sobre o caso no prazo de 15 dias. 

Outro lado 

O Viagora tentou contato com o prefeito Herbert Silva na tarde desta sexta-feira (18), mas não conseguiu. O espaço está aberto para esclarecimentos.