Política

Regina Sousa diz que Reforma Trabalhista permite trabalho escravo

A senadora apontou alguns dispositivos contrários aos trabalhadores e citou a possibilidade de redução de intervalos para refeições a 15 minutos.
ISABELA DE MENESES
13/05/2017 08h52 - atualizado

Durante sessão temática do Senado, na última quinta-feira (11), a senadora Regina Sousa (PT-PI), mais uma vez criticou a reforma trabalhista. Em seu pronunciamento acusou que a reforma “saiu da cabeça dos patrões”, além de dizer que existe contradição, já que na sua concepção o governo propôs uma reforma com dispositivos que permitem o trabalho escravo e assinou o Protocolo 29, com instrumentos de combate ao trabalho forçado.

Regina Sousa, segundo a Agência Senado, apontou alguns dispositivos contrários aos trabalhadores e relatou a possibilidade de redução de intervalos para refeições a 15 minutos, também, frisou que a mudança afronta as recomendações da medicina do trabalho. “É o sanduíche numa mão e a operação da máquina na outra”.

  • Foto: Ascom/Senado FederalSenadora Regina Sousa (PT-PI) critica Reforma TrabalhistaSenadora Regina Sousa (PT-PI) critica Reforma Trabalhista

A parlamentar continuou criticando e apontando prejuízos, ao considerar retrocesso a permissão de grávidas e lactantes em ambientes insalubres e duvidou da possibilidade de a trabalhadora ter o poder de recusar esse trabalho, diante de sua fragilidade na negociação individual.

Ao finalizar, Regina discordou da permissão para incluir não sindicalizados nas representações de trabalhadores nas empresas, que consta do PLC 38/2017.De acordo com a senadora, será o retorno às comissões de fábrica do "funcionário padrão, puxa-saco ou dedo-duro".

Mais conteúdo sobre: