Piauí

STF envia processo contra Firmino para Tribunal Regional Federal

As acusações contra Firmino partiram das delações dos ex-diretores da Odebrecht José de Carvalho Filho e Alexandre José Lopes Barradas.
RAYANE TRAJANO
19/05/2017 11h38 - atualizado

O Ministro relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, determinou o envio do processo sobre o prefeito de Teresina Firmino Filho (PSDB), para o Tribunal Regional Federal da 1ª Região, pois prefeito não têm foro especial no STF. Os autos foram encaminhados na última quarta-feira, 17 de maio.

As acusações contra Firmino partiram das delações de José de Carvalho Filho, ex-diretor da Odebrecht, e Alexandre José Lopes Barradas, ex-diretor da Odebrecht Ambiental. 

Como no caso não há envolvimento de autoridade que detenha foro por prerrogativa de função no STF, o ministro determinou o envio de cópia das declarações prestadas pelos delatores para apuração no juízo indicado, o Tribunal Regional Federal.

  • Foto: Facebook/Firmino FilhoFirmino FilhoFirmino Filho

Os executivos relataram a realização de pagamentos, a pretexto de doação eleitoral, ao prefeito Firmino, por ocasião da campanha do ano de 2012, no valor de R$ 500.000,00 (quinhentos mil reais). 

Nos documentos apreendidos pela Força-Tarefa da Lava Jato, Firmino Filho aparece com o codinome “Fifi”. Na delação, Alexandre Barradas afirmou que o prefeito também era chamado de “Primo”, em alusão à pessoa que recebeu o dinheiro em 2012, que é primo do prefeito, de acordo com o delator.

  • Foto: Samantha CavalcaListaLista

Segundo o executivo, Firmino pediu a “ajuda” pessoalmente, durante um encontro em um restaurante no aeroporto de Brasília, entre julho e agosto de 2012, quando Firmino concorria ao terceiro mandato na capital.

Sempre que questionado, o prefeito Firmino nega as acusações, afirmando que todas as doações recebidas da Odebrecht foram através da direção do PSDB e declaradas nas contas de campanha.