Piauí

Subconcessão da Agespisa vai suspender 600 contratos de trabalho

A informação é do presidente do Sindicato dos Engenheiros do Piauí (Senge), Antônio Florentino Filho, que teria sido informado pelo presidente da Agespisa, Emanuel Bonfim.
VITOR FERNANDES
25/06/2017 17h58 - atualizado

A empresa privada Aegea assumirá o sistema de saneamento de Teresina, atualmente operado pela Agespisa, a partir de 1º de julho deste ano. A Aegea assinou contrato de subconcessão dos serviços de água e esgoto na capital. A informação foi repassada pelo presidente da Agespisa, Emanuel Bonfim, aos Sindicatos dos Engenheiros (Senge) e Urbanitários (Sintepi).

  • Foto: Divulgação/Senge-PIÀ esquerda, o presidente do Sindicato dos Engenheiros do Piauí (Senge).À esquerda, o presidente do Sindicato dos Engenheiros do Piauí (Senge).

O presidente do Senge, Antônio Florentino Filho, afirmou que Emanuel Bonfim disse que todos os contratos terceirizados serão suspensos, envolvendo cerca de 600 profissionais e caberá à Aegea decidir se retomará os contratos com as mesmas empresas e funcionários. Esses terceirizados seriam, de acordo com o gestor, de diversas áreas como limpeza, transporte, operação, técnicos, engenheiros, entre outras profissões.

Florentino explicou que a Agespisa vai informar onde os trabalhadores serão lotados futuramente e avaliou, negativamente, a subconcessão. “Ninguém sabe o que vai acontecer. Pela reunião que tivemos, a única certeza do Governo é entregar o saneamento para a Aegea no dia 1° de julho. Eles não avaliaram as consequências dessa decisão para centenas de trabalhadores e, sobretudo, para o funcionamento dos serviços de água e esgoto para a população”, criticou.

Mais conteúdo sobre: