Piauí

Timon City alega recusa do Setut na implantação de bilhetagem eletrônica

Setut alega que não obteve retorno da empresa acerca dos critérios de implantação.
MARCOS CUNHA
12/06/2017 20h23 - atualizado

Durante entrevista nesta segunda-feira (12), a empresa de transporte público Timon City alegou a existência de uma recusa do Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (Setut) para implantação de bilhetagem eletrônica nos ônibus da empresa.

De acordo com o empresário da Timon City, Ramon Alves, já havia sido solicitado que o Setut realizasse a implantação do serviço, mas que ele teria recusado a participação da empresa timonense.

“É simplesmente o SETUT se impondo, dizendo que não quer a Timon City lá. Não tem concessão pública para fazer a bilhetagem eletrônica, nem é autorizada por poder competente nenhum, simplesmente ele [Setut] determina o que quer fazer. Existem várias empresas que entraram, como a Emvipi, que eles pagam 8% da renda bruta, a Timon City nem pagando 8% eles não aceitam lá”, declarou Ramon.

Em contrapartida a afirmação, o gerente Fábio Prado alegou que o Setut já respondeu a empresa Timon City explicando os critérios para implantação do serviço, mas que ainda não obteve um retorno por parte da empresa.

“A Timon City já encaminhou para o Setut um ofício, justamente perguntado quais eram os critérios, como poderiam ter acesso a bilhetagem que o Setut utiliza. O Setut encaminhou uma resposta explicando quais eram as etapas, mesmo porque nós seguimos toda uma regulação estabelecida pela Prefeitura, junto ao edital de licitação e outras demandas e regras. A gente respondeu, mas não recebemos nem um outro retorno”, disse o gerente do Setut.

Segundo Fábio, a Timon City já chegou a ter bilhetagem eletrônica de outra empresa no início, e acrescentou que a implantação de um serviço de bilhetagem não tem nenhuma dependência direta com o Setut.

  • Foto: Reprodução/FacebookÔnibus da Timon CityÔnibus da Timon City

A empresa Timon City atualmente mantém tarifa no valor de R$ 3, quantia mais baixa que a cobrada nos demais ônibus de Teresina e Timon, que é de R$3,30. Segundo Ramon Alves, uma audiência na Câmara Municipal nesta quarta-feira (14) vai discutir os critérios de implantação do serviço.