Piauí

Wellington Dias assina aditivo de R$ 59 mi com o Banco do Nordeste

O contrato foi assinado no dia 02 de julho de 2010, no valor de R$ 288 milhões. Os R$ 59 milhões ainda não usados podem ser utilizados até 23 de junho de 2018.
VITOR FERNANDES
22/08/2017 18h03 - atualizado

O governador Wellington Dias assinou aditivo de contrato que permite a utilização de R$ 59 milhões que ainda não foram utilizados de um acordo firmado no dia 02 de julho de 2010, no valor de R$ 288 milhões. O aditivo foi assinado com o superintendente do Banco do Nordeste no Piauí, Francisco Lopes, nesta terça-feira (22) no Palácio de Karnak. Os recursos podem ser usados até 23 de junho de 2018.

  • Foto: Jorge BastosGoverno assina aditivo de R$ 59 milhões com o Banco do Nordeste.Governo assina aditivo de R$ 59 milhões com o Banco do Nordeste.

Esses recursos são oriundos do BNDES/Finem (linha BNDES - Estados). O governador disse que “o dinheiro será aplicado na implantação e recuperação de estradas, como o Rodoanel de Teresina, que está prestes a ser concluído. Também em rodovias, como a PI 376, na região de Picos. A avenida Presidente Kennedy e o Verdão também serão contemplados, dentre outras obras".

Além da utilização dos recursos em obras, R$ 16 milhões serão destinados a melhorias tecnológicas nas áreas de segurança pública, educação e esportes.

O secretário de Estado do Planejamento, Antônio Neto, falou que "nesse ambiente de crise econômica que o país vive, um aporte de recursos desse volume é muito salutar para que o Estado possa continuar a realizar ações".

O Piauí ainda conta com recursos de R$ 1,270 bilhão, oriundos do Fundo Constitucional de Financiamento do Nordeste (FNE), neste ano por meio do Banco do Nordeste. "Desse valor, já aplicamos R$ 831 milhões em obras e projetos de Parcerias Público-Privadas (PPPs), restam R$ 600 milhões. Portanto, temos disponibilidade de recursos para aplicar em diversos projetos em 2017, o que significa mais avanços para o estado do Piauí", afirmou o superintendente do Banco do Nordeste, Francisco Lopes.