Geral

Wellington Dias defende Lula das acusações de Antonio Palocci

O governador do Piauí usou as redes sociais para emitir nota em defesa de Lula e declarou confiar no ex-presidente, já que o conhece há muitos anos.
ISABELA DE MENESES
07/09/2017 12h11 - atualizado

Nessa quarta-feira (06), o Governador Wellington Dias (PT-PI) defendeu o ex-presidente Lula das acusações feitas pelo ex-ministro Antonio Palloci durante seu depoimento para o juiz Sérgio Moro.

O governador do Piauí usou as redes sociais para emitir nota em defesa de Lula e declarou confiar no ex-presidente, já que o conhece há muitos anos.

“Conheço o presidente Lula há muitos anos e, após tomar conhecimento do depoimento do ex-Ministro Antônio Pallocci - imagino as circunstâncias que o levaram a isto, afirmo que o cidadão Luiz Inácio Lula da Silva é um homem digno”, diz um trecho da nota.

  • Foto: AscomLula e Wellington em Teresina na última semanaLula e Wellington em Teresina na última semana

Para completar o governador petista disse que Lula é desapegado de bens materiais e que espera que a verdade seja descoberta.

“Quero acreditar na Justiça deste país e espero que, de forma apartidária, seja garantido o respeito à Constituição Brasileira sem paixões, preconceitos e ódio.
Por fim, também espero que a verdade seja reposta”, disse Wellington.

A nota na íntegra

"Conheço o presidente Lula há muitos anos e, após tomar conhecimento do depoimento do ex-Ministro Antônio Pallocci - imagino as circunstâncias que o levaram a isto, afirmo que o cidadão Luiz Inácio Lula da Silva é um homem digno. São poucos os seres humanos tão desapegados de riqueza material como ele. Reafirmo minha confiança na inocência de Lula. Quero acreditar na Justiça deste país e espero que, de forma apartidária, seja garantido o respeito à Constituição Brasileira sem paixões, preconceitos e ódio.
Por fim, também espero que a verdade seja reposta."

Wellington Dias
Governador do Estado do Piauí

Entenda

A reação do governador Wellington Dias foi sobre as afirmações do ex-ministro Antonio Palocci, que está preso desde setembro de 2016. Em depoimento ao juiz Sérgio Moro, Palocci relatou que a Odebrecht pagou R$ 4 milhões ao Instituto Lula. Como também que ele e Lula tentaram atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato.