Coluna do Viagora

Coluna do Viagora

Contato: (86) 3232-4940 - E-mail: [email protected]

Irmão de Marcelo Castro recebeu R$ 1 milhão em propina da JBS, diz PGR

11/08/2020 10h40 - atualizado

Através de inquérito instaurado na Operação Lava Jato, a planilha da Procuradoria Geral da República (PGR), mostra que o senador Marcelo Castro recebeu R$ 1 milhão do Grupo JBS em 2014, quando ainda era deputado federal para apoiar a eleição de Eduardo Cunha à presidência da Câmara, segundo informações divulgadas pelo GP1.

De acordo com o documento, o ex-deputado recebeu o dinheiro através do empresário Reginaldo Carvalho, proprietário da rede de supermercados R. Carvalho, que fez o repasse dos valores ao irmão de Marcelo Castro, Humberto Castro, dono da Construtora Jurema.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1senador eleito Marcelo Castrosenador eleito Marcelo Castro

Conforme a PGR, a investigação foi realizada depois da colaboração dos executivos da J&F Joesley Batista, Ricardo Saud e Demilton Antônio de Castro que fizeram delação premiada e apontaram o senador como beneficiário do valor de R$ 1 milhão para que ele apoiasse a candidatura de Eduardo Cunha para presidência da Câmara dos Deputados.

Segundo matéria do GP1, a planilha que consta nos autos foi elaborada por Gilson de Oliveira que era tesoureiro do então Grupo Carvalho. Foram sete pagamentos direcionados a Marcelo Castro, sendo três de R$ 200 mil e quatro de R$ 100 mil, entregues por Reginaldo Carvalho para Humberto Castro.

  • Foto: Facebook/Reginaldo CarvalhoReginaldo CarvalhoReginaldo Carvalho

De acordo com a planilha, os valores foram pagos no ano de 2014 nas datas a seguir: 26 de agosto, 28 de agosto, 29 de agosto, 01 de setembro, 02 de setembro, 03 de setembro e 04 de setembro.

  • Foto: Divulgação/PGRPlanilhaPlanilha

Outro lado

Ao GP1, a assessoria do senador informou que Marcelo ainda não foi notificado sobre o processo e que sempre está à disposição para colaborar com as autoridades, mantendo uma conduta transparente”.

A assessoria de Reginaldo Carvalho foi procurada, mas não enviou nota sobre o assunto, até o fechamento da matéria.

Humberto Castro não foi localizado pela reportagem.

Mais na Web