Piauí

Câmara de Teresina discute greve no transporte coletivo em audiência

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores de Empresas de Transportes Rodoviários (Sintetro), Ajuri Dias, afirmou que o número de passageiros diminuiu no sistema.
23/02/2021 16h40 - atualizado

Na manhã desta terça-feira (23), foi realizada uma audiência pública na Câmara Municipal de Teresina, para discutir sobre a greve no transporte público e buscar uma solução para acabar com as paralisações no setor.

Em entrevista ao Viagora, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores de Empresas de Transportes Rodoviários (Sintetro), Ajuri Dias, afirmou que o número de passageiros diminuiu no sistema e, que a intenção é tentar diminuir o valor da tarifa.

  • Foto: Luís amargos/ ViagoraAjurí Dias, presidente do SintetroAjurí Dias, presidente do Sintetro

“Essa situação da sustentação financeira, no meu ponto de vista, ela passa por várias situações, sabemos que diminuiu o número de passageiros, hoje no sistema, mas o que vamos propor é uma nova legislação, mais ampla. Vamos discutir a questão da planilha, para ver se dá para diminuir o valor da tarifa. Porque no nosso ponto de vista, a tarifa tem que ser reduzida, para que o preço volte a ser atrativo para os usuários”, disse.

O presidente disse ainda que irá propor ao Governo do Estado, a questão do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS), para que haja uma contribuição para subsidiar a tarifa para um valor de R$ 2,50.

“Vamos propor para o Governo do Estado a questão do ICMS, tem como eles contribuir com essa redução, subsidiar a tarifa para um valor de R$ 2,50, para que o transporte coletivo tome fôlego novamente e acabe com essa situação, porque não é legal fazer greve. Mas acho que diminuindo o valor da tarifa o transporte volta a ser atrativo”, ressaltou.

Segundo Ajuri Dias, para resolver o problema das greves dos motoristas e cobradores de ônibus, a prefeitura tem que fazer esse repasse e, também deve ser criada uma nova lei de transporte para que várias situações sejam modificadas, a começar pela diminuição no valor da passagem.

“Primeiro vamos discutir a questão do pagamento dos salários dos trabalhadores, porque eles não aguentam mais, a prefeitura tem que fazer esse repasse. E a outra coisa é em relação a uma nova legislação, uma nova lei de transporte para que possamos mudar várias situações que tem no transporte, para diminuir a tarifa e que os usuários possam voltar a utilizar e que não tenhamos mais disputas com os ligeirinhos ou outras modalidades de transporte, em um valor mais alto, onde eles tenham mais agilidade em relação a prestação de serviço”, disse o presidente do Sintetro.

O representante do Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (Setut), Marcelino Lopes, também esteve presente na audiência e disse que, para a situação do transporte público de Teresina ser resolvida, é necessário que o poder público tenha compromisso.

  • Foto: Luís Marcos/ ViagoraMarcelino Lopes, Representante do SETUTMarcelino Lopes, Representante do SETUT

“É preciso que o poder público tenha sensibilidade e honre com seu compromisso. Existe um contrato licitado, que tem que pagar. Quer mudar? Então vamos sentar e discutir, agora me dizer que a empresa não vai ver mais dinheiro de prefeitura, não está certo”, disse.

Segundo o representante, é impossível resolver o problema dos ônibus, sem dinheiro. “Esse problema está afetando a cidade toda. Eu não sei como resolver sem dinheiro, é humanamente impossível, porque você arrecadar 25 reais e pagar 100, ou 60, é impossível”, afirmou Marcelino Lopes.

De acordo com o presidente da comissão de transporte, vereador Bruno Vilarinho, a audiência foi para buscar uma solução para que a população volte a ser beneficiada.

  • Foto: Luís Marcos/ ViagoraVereador Bruno VilarinhoVereador Bruno Vilarinho

“Na verdade essa audiência foi proposta pelo vereador Dudu, e a nossa preocupação hoje é com a população de Teresina. Mas também a gente não deixa de se preocupar com os motoristas e cobradores que vem passando, e essa audiência é justamente para que possamos estar todas as entidades aqui reunidas na casa. O poder público municipal representado pela Strans, a Câmara Municipal, os donos das empresas de ônibus, o Setut, o sindicado de motoristas e cobradores, pra que daqui a gente possa buscar uma solução para o transporte, para que a população de Teresina volte a ser beneficiada com o transporte público. O interesse dessa audiência pública é pra isso, pra que a gente possa dar celeridade na solução desse problema que é tão grave hoje na nossa cidade", finalizou.

Mais na Web