Piauí

Casa da Cultura de Teresina ganha nova gestão e irá passar por reformas

Segundo o presidente da Fundação Cultural Monsenhor Chaves, Scheyvan Lima, foi montado um comitê que irá participar do processo para a busca de soluções para a reforma da Casa da Cultura.
  • LAÍS VITÓRIA
06/02/2021 15h04 - atualizado

A nova gestora da Casa da Cultura de Teresina, Marilene Evangelista, além de fazer parte do quadro de funcionários efetivos da Fundação Cultural Monsenhor Chaves, contribuiu com a construção do acervo bibliográfico e artístico desse importante espaço cultural.

A Casa da Cultura, através de visitas a seu acervo museológico, proporciona a estudantes, pesquisadores, turistas e a comunidade em geral a oportunidade de ampliar seus conhecimentos. Além de consultas às fontes de pesquisas bibliográficas e arquivísticas, da formação cultural e do lazer por meio de cursos, realiza também oficinas de artes e outras atividades culturais.

  • Foto: Catarina CostaCasa da Cultura de Teresina.Casa da Cultura de Teresina

Marilene Evangelista afirma, que por ser funcionária da casa, já conhece de perto a realidade do local e que pretende fazer uma gestão acessível ouvindo a população e artistas.

“Recebo com muita alegria esse novo desafio, pois não é sempre que um efetivo consegue tal indicação. Aqui temos problemas antigos e com toda certeza iremos trabalhar para que os mesmos sejam resolvidos a fim de mantermos viva a história desta edificação que já faz parte do cenário cultural da nossa capital”, comentou a nova gestora.

Ainda nessa semana foi realizada uma reunião para tratar sobre as melhorias a serem realizadas no espaço. Segundo o presidente da Fundação Cultural Monsenhor Chaves, Scheyvan Lima, foi montado um comitê que irá participar do processo para a busca de soluções para a reforma da Casa da Cultura.

“Demos posse a nova gestora e agora, juntos com os funcionários e colaboradores, vamos iniciar o processo de discursão para a tão sonhada reforma, obra que há anos é aguardada pela classe artística da capital”, afirma Scheyvan Lima.

O presidente destacou ainda, que esse é um processo delicado, pois além de ser um prédio histórico, é um espaço alugado, que depende da autorização de seu proprietário para realizar qualquer reforma. A Casa da Cultura de Teresina, foi inaugurada em 1994, e ocupa uma edificação construída entre 1870 e 1880. Segundo historiadores, além de residência, a casa serviu também como quartel e enfermaria.

Entre 1906 e 1911, o Monsenhor Joaquim d’Almeida instalou um Seminário no prédio e, em 1913, os herdeiros do Barão venderam o prédio para a Diocese de Teresina, que deu continuidade ao Seminário. Depois de fechado o casarão foi transformado em residência episcopal, tendo sofrido algumas alterações na fachada principal.

Com a transferência do Seminário, no prédio passou a funcionar, por vários anos, a sede do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS) no Piauí, para depois abrigar, também por longo período, o Colégio Pedro II, que fez diversas modificações no prédio. Em 1986 foi tombado pelo Departamento do Patrimônio Histórico, Artístico e Natural do Piauí.

Mais conteúdo sobre:

Mais na Web