Piauí

Contratos de aluguel de carros do prefeito Gilson Nunes são investigados

O promotor Jorge Pessoa instaurou um Procedimento Preparatório para investigar supostas irregularidades na contratação de alugueis de veículos realizada pelo prefeito Gilson Nunes de Sousa.
18/02/2021 06h34 - atualizado

O Ministério Público do Estado do Piauí, por meio do promotor de Justiça Jorge Luiz da Costa Pessoa, instaurou um Procedimento Preparatório para investigar supostas irregularidades na contratação de alugueis de veículos realizada pelo prefeito de Lagoa do Barro do Piauí, Gilson Nunes de Sousa.

De acordo com a Portaria nº 017/2021, publicada no Diário Oficial do MP, a 2ª Promotoria de Justiça de São João do Piauí recebeu denúncia do presidente municipal do PSC em Lagoa do Barro do Piauí, Adriano José Barbosa, relatando suposto ato de improbidade administrativa praticado pelo prefeito Gilson Nunes de Sousa.

A denúncia alega que teriam ocorrido irregularidades na contratação de alugueis de veículos, diante do aumento de gasto da administração municipal com o serviço a partir de 2018.

O órgão ministerial então instaurou Notícia de Fato para apurar os fatos mencionados na denúncia, constatando, em primeira análise, que os valores pagos para serviços de transporte prestados ao município foram acima dos valores pactuados nos contratos firmados no bojo das licitações realizadas em 2017 e 2018, estes últimos com aditivos contratuais.

No entanto, o MP considerou que há a necessidade de conversão do procedimento em questão, afirmando que a Notícia de Fato não se mostra como instrumento adequado para acompanhar a situação descrita.

Diante dos fatos, o promotor resolveu converter a Notícia de Fato em Procedimento Preparatório, determinando ainda a notificação da Prefeitura de Lagoa do Barro do Piauí, para que, no prazo de 15 dias, justifique os gastos com locação de transporte nos anos de 2017 a 2020 acima do valor pactuado em contrato, conforme verificação dos procedimentos licitatórios e listagem de empenhos encaminhados a esta Promotoria de Justiça, apresentando, para tanto, a documentação pertinente.

Outro lado

O Viagora procurou o gestor para falar sobre o assunto, mas até o fechamento da matéria ele não foi localizado. O espaço permanece aberto para esclarecimentos.

Mais na Web