Geral

Covid-19: Anvisa divulga orientações para vacinação em farmácias

O documento é destinado para as farmácias e serviços de saúde, públicos e privados, que possuem permissão para a realização de testes e que possivelmente poderão aplicar a vacina.
12/01/2021 15h10 - atualizado

Nessa segunda-feira (11), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou recomendações e orientações para a realização de testes rápidos e aplicação de vacinas em farmácias, caso sejam incluídas no plano de imunização do Ministério da Saúde.

Segundo a Anvisa, o documento é destinado para as farmácias e aos serviços de saúde, sejam públicos e privados, que possuem permissão para a realização de testes. A Nota Técnica aborda a realização de testes rápidos, assim como as medidas de prevenção que devem ser adotadas.

“Como parte do sistema de saúde, as farmácias desempenham um papel importante na dispensação e fornecimento de medicamentos, administração de medicamentos, incluindo as vacinas e serviços de saúde ao público. É importante garantir a função contínua das farmácias durante a pandemia da covid-19. Durante a pandemia, a equipe da farmácia pode minimizar o risco de exposição ao vírus que causa o covid-19 e reduzir o risco para os clientes usando os princípios de prevenção e controle de infecções e distanciamento social”, diz um trecho da Nota Técnica.

De acordo com a Anvisa, é recomendado o uso de testes para pesquisa antígeno viral, como do tipo RT-PCR e TR-Ag para diagnosticar infecção aguda. Além disso, informa que não é recomendado o uso de testes rápidos para diagnosticar infecção aguda. O documento ressalta que os resultados do teste rápido não devem ser usados isoladamente para determinar se o paciente pode voltar a rotina normal.

A Anvisa orienta que as farmácias que oferecem o exame por meio de coleta de amostra do trato respiratório superior, como as realizadas por meio de swab, sigam recomendações de biossegurança em relação à infraestrutura. O documento orienta como as farmácias tenham separação física dos corredores de acesso; portas de acesso dupla com fechamento automático; ar de exaustão não recirculante e fluxo de ar negativo.

Já em relação a vacinação, a recomendação é que caso as farmácias sejam incluídas no plano de imunização, os estabelecimentos precisam assegurar requisitos mínimos para garantir a segurança e qualidade, na conservação, aplicação e no monitoramento das vacinas da campanha, bem como, a segurança do vacinado e a dos profissionais de saúde envolvidos.

Mais na Web