Coronavírus no Piauí

Covid-19: Ministério Público acompanha vacinação em Teresina

Na oportunidade a FMS apresentou novos locais de imunização e as últimas atualizações sobre os grupos que estão sendo vacinados.
15/05/2021 07h08 - atualizado

O Ministério Público do Piauí (MPPI), por meio da 12ª Promotoria de Justiça de Teresina, realizou uma nova audiência de forma remota com o Tribunal de Cotas do Estado (TCE-PI), com representantes Fundação Municipal de Saúde (FMS) e dos Conselhos de Classe para dar continuidade ao debate sobre a execução do Plano de Vacinação contra a Covid-19 na capital. Foi realizada uma nova audiência nessa quarta-feira (12).

Segundo o MPPI, o promotor Eny Pontes, que responde pela 12ª promotoria, iniciou a reunião levantando o debate sobre estratégias que podem acelerar a logística do processo de vacinação. Na oportunidade a FMS apresentou novos locais de imunização e as últimas atualizações sobre os grupos que estão sendo vacinados, como o de pessoas que possuem comorbidades e o de acadêmicos e residentes da saúde que estão realizando estágio em unidades de saúde.

  • Foto: Luís Marcos/ ViagoraVacinação de idososVacinação de idosos

A vice-presidente do Conselho Regional de Medicina (CRM-PI), Mírian Parente, pontuou durante a reunião a preocupação com o número de óbitos de gestantes na Maternidade Evangelina Rosa e solicitou a vacinação das gestantes de alto risco atendidas no Instituto de Perinatologia.

De acordo com o Ministério Público, outra pauta levantada durante a audiência foi sobre os agendamentos de vacinação nas UBSs e o que é feito com as sobras de doses das pessoas que não conseguiram comprovar o seu grupo de risco, por exemplo. Em resposta, a FMS informou que as poucas doses são utilizadas para vacinar outros segmentos prioritários que fazem parte dos grupos contemplados, mas que ainda não foram imunizados.

O MP informou que também foi discutido sobre as novas remessas de doses que chegarão com orientações para vacinar dois novos grupos de profissionais. Foi ressaltada a importância da plena cobertura vacinal dos profissionais de saúde, especialmente os que atuam na assistência à pacientes com Covid-19, antes de iniciar a imunização de novas categorias. Com isso, soluções para a vacinação neste cenário de doses limitadas e logísticas das doses que irão chegar foram discutidas.

Mais na Web