Piauí

Detentos casam e são batizados na penitenciária Irmão Guido

Cerca de 5 internos celebraram matrimônio e sete foram batizados. A iniciativa da Secretaria de Justiça do Piauí (Sejus) aconteceu em parceria com a Igreja Pentecostal Brasil para Cristo.
  • ISABELA DE MENESES
30/04/2017 09h26 - atualizado

As cerimônias de casamento e batizado da Penitenciária Regional Irmão Guido, em Teresina, aconteceram no último sábado (29). Cerca de 5 internos celebraram matrimônio e sete foram batizados. A iniciativa da Secretaria de Justiça do Piauí (Sejus) aconteceu em parceria com a Igreja Pentecostal Brasil para Cristo.

José Wilson Bacelar, um dos reeducandos, fez seis anos de detenção no mesmo dia em que se casou com Iolanda Silva, da Penitenciária Feminina de Teresina, O casal passou dois meses trocando cartas entre as unidades prisionais, até decidirem firmar a união em casamento. “Eu me tornei uma nova pessoa aqui dentro e, se Deus quiser, no ano que vem, terei minha liberdade e seguirei meu caminho. Hoje, já sou casado e foi a experiência aqui dentro que mudou a minha vida”.

  • Foto: Divulgação/AscomDetentos se casam na penitenciária Irmão GuidoDetentos se casam na penitenciária Irmão Guido

Iolanda que vive há dois anos e meio na Penitenciaria Feminina disse que quando ela e o marido saírem do sistema penal, os dois terão uma nova vida. “Hoje é o dia mais feliz da minha vida e tenho fé que, quando saímos da prisão, iremos viver essa felicidade juntos”.

Para o coordenador de Apoio Espiritual da Secretaria de Justiça, Estevão Marlon ajuda na ressocialização dos detentos, “a assistência religiosa oferecida aos reeducandos tem se mostrado ferramenta importante no processo de reinserção social”.

  • Foto: Divulgação/AscomSete batismos também foram realizadosSete batismos também foram realizados

Antônio dos Santos foi um dos detentos que recebeu o batismo e destacou que a oportunidade de receber o sacramento dentro da unidade prisional é importante para o seu processo de ressocialização. “Aqui temos a possibilidade de pagar por nossos erros, refazer a nossa vida e, principalmente, nos aproximarmos de Deus”, frisa.

Daniel Oliveira, secretário de Justiça, acredita que, “Essas pessoas privadas de liberdade merecem uma oportunidade de se casar e ter comunhão com Deus, para, quando saírem do sistema prisional, terem um alicerce familiar e uma base religiosa sólida”.

Mais na Web