Piauí

Elmano cobra mais infraestrutura para agronegócio no Piauí

A gestão estadual, ainda de acordo com o presidente da Aprosoja, deveria priorizar, neste momento.
06/01/2021 10h45 - atualizado

A próxima safra de grãos do Piauí, que começa a ser colhida em fevereiro e deve bater um novo recorde. A Associação dos Produtores de Soja do estado (Aprosoja) prevê mais de 5 milhões de toneladas de grãos, com um incremento de até 10% em comparação com a safra anterior (2019/2020).

De acordo com a Aprosoja, a área plantada aumentou mais de 5%. O que não muda na próxima colheita é a supremacia dos cerrados, que concentram a produção de grãos no Piauí e respondem por 92% das exportações do estado.

O senador Elmano Férrer celebrou a safra recorde e cobra melhores condições para o escoamento da produção. “Da porteira para dentro, o agronegócio do Piauí vai muito bem. Nossos produtores vêm ampliando a área plantada, investindo em tecnologias e elevando a produtividade do estado. Mas os problemas aparecem da porteira para fora, principalmente na hora de escoar a produção”, avalia o senador, que se empenha para ampliar a infraestrutura no Piauí.

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) revelou que as dificuldades de escoamento ocorrem em todo o Brasil e, dependendo do tipo de grão, até 0,17% da safra do país se perde nas rodovias. Mas, segundo o presidente da Aprosoja, Alzir Neto, a realidade piauiense é ainda pior, pois são muitos gargalos, incluindo a falta de uma boa malha viária.

Segundo Alzir Neto, há muito tempo o governo estadual não realiza uma obra relevante para beneficiar o agronegócio do Piauí. O produtor também reclama do atraso na construção da PI-397 (Transcerrados), uma via que, na avaliação dele, não tem a mesma importância de quando foi planejada, há mais de uma década.

A gestão estadual, ainda de acordo com o presidente da Aprosoja, deveria priorizar, neste momento, a conclusão de um trecho de 16km da PI-392, que liga Baixa Grande do Ribeiro à subida da Serra.

Canteiro de obras federais

Elmano avalia que as principais ações estruturantes no sul do Piauí são de responsabilidade federal. Entre as obras, ele destaca o alargamento da BR-135 (Rodovia da Soja), a construção de mais um trecho da BR-235 e a finalização da ponte estaiada entre Santa Filomena e Alto Parnaíba, no Maranhão, ligando os cerrados dos dois estados.

Na avaliação do presidente da Aprosoja/PI, a BR-330 pode integrar todo o Matopiba, região que abriga os cerrados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia.

Insegurança jurídica e escassez de energia

O parlamentar Elmano ressaltou que o sucesso do agronegócio piauiense deve ser creditado, com mais ênfase, ao trabalho de pioneiros, vindos principalmente do Rio Grande do Sul, de São Paulo e de Mato Grosso, que acreditaram no potencial dos cerrados.

Alzir Neto disse confirmou ainda que, os produtores piauienses puxaram, por iniciativa própria, 400 km de rede elétrica, em parceria com a Eletrobras. Mesmo assim, segundo ele, a energia é insuficiente para atender a demanda.

Mais conteúdo sobre:

Mais na Web