Política

"Estou preparado para governar o Piauí ", declara Sílvio Mendes

O pré-candidato ao governo diz que sentiu a ausência de investimentos em algumas cidades que visitou.
18/11/2021 06h00 - atualizado

Nessa quarta-feira (17), o pré-candidato ao Governo do Piauí e ex-prefeito de Teresina, Sílvio Mendes (PSDB) falou sobre atual gestão do Estado e eleições 2022, dentre outros assuntos.

Ao Viagora, o ex-prefeito relatou que já visitou pelo menos 80 municípios piauienses, e que sentiu a ausência de investimentos do governo em algumas cidades como a falta de água para a população, tanto na zona Urbana quanto na Rural.

  • Foto: Luis Marcos/ ViagoraEx-prefeiro Sílvio MendesEx-prefeiro Sílvio Mendes

“Nessas visistas as cidades, eu constatei primeiro a ausência do Governo do Estado, pelo gestor estadual. Quase nunca se ver algum investimento nos municípios dos 80. Muitas cidades nem tem água para beber e o Piauí é rico em água, basta fazer algumas adutoras e são relativamente baratas, mas até hoje estão sem água para beber na zona urbana e rural”, disse.

Segundo Sílvio Mendes, o governo prometeu acabar com o carro pipa nas cidades com falta de água e resolver o problema, mas o veículo acaba sendo usado como ferramenta política para a próxima eleição. “Foi prometido acabar com o carro pipa e não acabaram, muito pelo contrário, ele é usado como ferramenta política para a próxima eleição”, pontuou.

O pré-candidato também afirmou que a saúde em alguns municípios está desaparelhada e sem referência, onde os pacientes acabam transferidos para Teresina ou para outros pólos.

“A saúde que está desaparelhada, sem referência e a melhor política é transferir pacientes para as cidades polos e para Teresina. Nós temos soluções simples para isso e não é preciso fazer milagres, esse é o problema que causa mais sofrimento”, afirmou.

Conforme Sílvio, a educação nos municípios também é preocupante pois só tem até o ensino fundamental e ainda são de responsabilidade das prefeituras. “A educação nesses municípios que a gente tem andado, são praticamente o ensino fundamental e tem responsabilidade dos municípios e eles fazem bem”, disse.

Sobre a segurança, o pré-candidato declarou que algumas cidades só tem um militar para atender ocorrências e que as forças policiais estão sem reajuste salarial e sendo obrigados a comprar o próprio fardamento.

“A segurança pública, a gente pensa que é só Teresina, mas por aí a fora, tem cidades que tem apenas um militar. Os militares sem reajuste salarial, são obrigados a comprar fardamento. Isso é dramático. Hoje mesmo, uma senhora que trabalha comigo, tomaram a moto dela enquanto ela saia de casa e não temos a quem reclamar”, declarou.

Para Sílvio, o Piauí precisa de uma gestão eficiente e que use bem o dinheiro público. “Piauí precisa de uma gestão que seja eficiente, que use bem o dinheiro público, sem roubar e nem permitir que roubem, porque o dinheiro que tem é suficiente para fazer o que precisa”, afirmou.

Preparado para disputa

O pré-candidato ressaltou que se sente preparado para governar o estado, caso seja o escolhido como candidato a governador em 2022.

"Sim, eu posso afirmar que sim, estou preparado para governar o Piauí, porque eu fui gestor da saúde em Teresina durante 12 anos e posso relacionar com coisas principais durante esse período onde o dinheiro, ao invés de ser gasto com propaganda, foi gasto com o que a população precisava e outra coisa, gestão não se faz só, tem que ter uma boa equipe. Então eu estou pronto”, garantiu.

Questionado se será candidato a vice-governador, caso a deputada Iracema Portella (Progressistas), seja a candidata a governadora, Sílvio garantiu que não haverá problema e que a apoiará.

“Não tem problema. Porque tem responsabilidade. Quando Firmino resolveu ir embora e o Ciro foi pra Casa Civil, nós conversamos porque apareceu um imprevisto que não estávamos esperando. Então meu nome foi para a mesa e sobraram o meu e o da Iracema, mas quem chegar agora e achar que tem condições, porque não? Quem for melhor que eu, terá meu apoio”, disse.

Mais na Web