Polícia

Ex-policial acusado de matar radiologista vai a Júri Popular em Teresina

O ex-policial é acusado de matar o radiologista Rudson, dentro de um bar, no ano de 2019 na zona Norte.
18/06/2021 10h40 - atualizado

Na última terça-feira (15), a juíza Maria Zilnar Coutinho Leal, da 2ª Vara do Tribunal Popular do Júri de Teresina, pronunciou o ex-policial militar do Piauí, Max Kellysson, para que seja submetido a julgamento pelo Júri Popular.

O ex-policial é acusado de matar o radiologista Rudson Vieira Batista da Silva, dentro de um bar, no ano de 2019.

Conforme o Ministério Público do Estado do Piauí (MPPI), com base no inquérito policial, a vítima estava com amigos em um bar, quando o acusado passou a importunar as mulheres que estavam no local oferecendo bebidas.

Segundo a polícia, a vítima teria ido até o acusado para pedir que ele parasse com as investidas, momento em que Max Kellysson, o surpreendeu com um disparo, Rudson morreu cinco dias depois.

Em sua decisão, a magistrada destacou que existem indícios que apontam a autoria do homicídio ao ex-policial e o pronunciou para que seja submetido a julgamento pelo Tribunal do Júri, pelo crime de homicídio tipificado. O acusado responde ao processo em liberdade e a juíza também decidiu ainda que ele poderá aguardar o julgamento em liberdade.

O caso

O radiologista Rudson Vieira Batista da Silva, de 32 anos, foi baleado na noite de 1º de dezembro de 2019, durante um desentendimento com o policial militar identificado como Max Kellysson, em um bar no Buenos Aires, zona norte de Teresina.

Conforme a polícia, ele chegou a ficar internado no Hospital São Marcos, mas morreu cinco dias depois.

Mais na Web