Piauí

“Fábio Abreu faz uso politiqueiro da SSP”, diz major Diego Melo

Na próxima quinta-feira (7), policiais militares e bombeiros do Piauí realizam um protesto em Teresina pela valorização da vida dos profissionais e melhores salários para a categoria.
06/11/2019 09h40 - atualizado

Nesta quinta-feira, 7 de outubro, agentes da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar do Piauí irão realizar uma caminhada em protesto pela valorização dos profissionais da Segurança Pública. A manifestação acontece a partir das 7h30, em frente à Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi) e segue até o Palácio de Karnak, no Centro de Teresina.

  • Foto: DivulgaçãoAgentes da PM e Corpo de Bombeiros realizam manifestação nesta quinta-feira (7).Agentes da PM e Corpo de Bombeiros realizam manifestação nesta quinta-feira (7).

De acordo com o Major Diego Melo, o objetivo principal da caminhada é denunciar a situação grave dos profissionais de Segurança Pública do estado. “A violência tem aumentado. De 2015 para cá, 57 policiais foram vítimas de morte violenta no Piauí. Mais de um policial militar é vítima de morte violenta por mês. Além disso, desde 2015 que estamos sem a reposição da inflação nos nossos salários, gerando um déficit de mais de 30%”, disse.

O major relatou que alguns profissionais estão com dificuldades financeiras para manter a família devido ao não reajuste dos salários. “Alguns de nós não têm como sustentar as suas famílias porque o poder aquisitivo caiu 30%, enquanto as coisas só aumentam de preço. Isso leva os profissionais a uma situação vexatória de sobrevida”, comentou.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Major Diego MeloMajor Diego Melo

Diego Melo informou que essa é a segunda caminhada realizada pelos agentes da PM e do Corpo de Bombeiros no Piauí, devido às reivindicações da categoria não terem sido atendidas pela Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP).

“Além da falta de investimentos e priorização, a SSP virou as costas para a polícia. Não quer nos receber, não ouve nossas reivindicações, não trata da reposição inflacionária. Diante disso, nós vamos fazer a segunda caminhada, igual fizemos em 2017”, afirmou.

O policial frisou que a valorização da vida dos profissionais da categoria é um assunto de discussão necessária e urgente devido ao aumento dos índices de violência principalmente na capital piauiense.

“Teresina, hoje, é uma das cidades mais violentas do Brasil e do mundo. É a 38ª mais violenta do mundo. São 48 homicídios para cada 100 mil habitantes. Então precisa priorizar os profissionais da Segurança Pública. A PM está sem efetivo e não fazem concurso. Tudo isso recai, principalmente, sobre os ombros dos policiais militares, que estão todos os dias enfrentando a criminalidade”, explicou.

Fábio Abreu

Além das reivindicações financeiras e de segurança, os agentes ainda protestam contra o secretário estadual da Segurança Pública, Fábio Abreu. Segundo o Major Diego Melo, o secretário tem se recusado a manter um diálogo com a categoria.

“Estamos protestando contra ele pelos posicionamentos dele, de não querer diálogo, de nunca, em nenhum momento durante seu mandato como secretário, ter se manifestado a favor da família policial militar do Piauí. Por ele nunca ter dito que os PMs do estado estão sendo mal pagos e que precisa repor a inflação nos salários, além de não querer receber a categoria e perseguir quem se posiciona contra ele nos quartéis e nas associações. Protestamos por conta de todo o uso indevido e politiqueiro que ele faz da Secretaria de Segurança Pública, em detrimento especialmente da família policial militar do Piauí”, finalizou.

Outro lado

O  Viagora  procurou o secretério Fábio Abreu para falar sobre o assunto, mas até o fechamento da matéria ele não foi localizado.

Mais na Web