Coronavírus no Piauí

FMS diz que pessoas com comorbidades podem se cadastrar para vacina

De acordo com a FMS, apenas o grupo de pessoas de 55 a 59 anos com comorbidades serão vacinados nessa etapa.
04/05/2021 13h00 - atualizado

A partir desta quarta-feira (05), as pessoas de 55 a 59 anos com comorbidades já podem se cadastrar para receber a vacina contra a Covid-19 em Teresina. O cadastro deve ser realizado no site http://vacinaja.fms.pmt.pi.gov.br/.

Segundo a Fundação Municipal de Saúde (FMS), nos próximos dias será divulgada a estratégia de vacinação para as pessoas com deficiência permanente beneficiárias do programa Benefício de Prestação Continuada (de 55 a 59 anos), gestantes/puérperas com comorbidades (a partir de 18 anos) e pessoas com Síndrome de Down (a partir dos 18 anos).

  • Foto: DivulgaçãoVacina contra a Covid-19Vacina contra a Covid-19

A diretora de atenção básica da FMS, Laurimay Caminha explicou que a lista de comorbidades será seguida conforme a recomendação do Ministério da Saúde.

“Vamos seguir a lista de comorbidades que o Ministério da Saúde recomendou. Todos tem que ter um documento que comprove a comorbidade (receita, laudo, relatório médico). Na sala de vacinação a pessoa apresenta a cópia do documento que comprove a doença, que ficará com o vacinador. Não vamos nos deter a data, o documento que a pessoa tiver vamos aceitar. A maioria das doenças são crônicas, a pessoa convive com ela. São muito poucas as que são de uma situação pontual”, explicou.

Ainda de acordo com a diretora, não serão todas as pessoas que receberão a vacina conforme idade, a partir de agora só serão contemplados os grupos específicos de comorbidades.

“A partir de agora só vão ser contemplados grupos específicos como os com comorbidades, que também serão escalonados por idade. Não vamos continuar vacinando todas as pessoas conforme idade. Isso só vai acontecer quando o Brasil tiver um plano de vacinação em massa. No momento o país só tem o plano emergencial e ele só prever vacinação Covid para algumas categorias. A perspectiva do Ministério é para que no segundo semestre os nossos laboratórios tenham autonomia para produzir a vacina sem precisar dos insumos que ainda são importados. Aí quando chegar esse momento é que vai ser produzida vacina em quantidade e dará para vacinar em massa”, esclareceu.

Mais na Web