Piauí

FMS notificou 1.188 casos de dengue até maio de 2019 em Teresina

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) de Teresina divulgou o segundo Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) deste ano.
  • DA REDAÇÃO
14/05/2019 11h20 - atualizado

Nesta terça- feira (14), a  Fundação Municipal de Saúde (FMS) de Teresina divulgou o segundo Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) de 2019, realizado entre 29 de abril e 03 de maio.

O LIRAa deu 2,2 de Índice de Infestação Predial (IIP). Comparando com o primeiro LIRAa, que aconteceu entre 25 de fevereiro e 01 de março, aumentou um estrato para baixo risco e dois estratos para médio risco.

  • Foto: Divulgação/PMTO resultado do levantamento foi divulgado nesta terça-feira (14).O resultado do levantamento foi divulgado nesta terça-feira (14).

“Chama atenção que a média encontrada é de 2,2. O Ministério da Saúde determina que maior que 1 é sinal de alerta e maior que 2 é sinal de gravidade. Portanto, precisamos não criar mosquito, porque eles estão aí. O número de casos de dengue aumentou de março até agora e hoje nós temos quase 1.200 casos notificados. Chamo atenção para que as pessoas tomem cuidado para não criar mosquito em casa, trabalho, escolas e igrejas. E se a pessoa vier a ter a dengue é importante manter a hidratação, ou seja, urinar transparente 24 horas por dia. Se você sentir dor abdominal, cansaço, tontura, deve procurar imediatamente o serviço de urgência da saúde, pois são sinais de gravidade”, afirma Amariles Borba, diretora de Vigilância em Saúde da FMS. De janeiro a 7 de maio de 2019 a FMS notificou 1.188 casos de dengue, 191 casos de chikungunya e 20 casos de zika.

O LIRAa acontece quatro vezes ao ano e abrange todas as regiões da cidade. Durante o LIRAa, os agentes de endemias da FMS percorrem uma média de 15 mil imóveis em busca de focos em ralos, piscinas, vasos de planta e outros potenciais criadouros. São enviados os índices de focos por meio da identificação tanto de larvas, como da forma adulta do inseto. Os dados obtidos servirão como base para o desenvolvimento de estratégias de combate ao Aedes aegypti e trabalhos educativos voltados à prevenção da dengue, zika e chikungunya.

Mais na Web