Polícia

Greco prende suspeitos de sequestrar gerente do Itaú em Teresina

Segundo o delegado Tales Gomes, foram presos seis homens suspeitos de integrar o grupo que raptou e manteve em cativeiro a família do gerente.
09/07/2020 08h50 - atualizado

Nessa quarta-feira, 8 de julho, a Polícia Civil do Piauí, através do Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco), prendeu seis pessoas suspeitas de sequestrar e manter em cativeiro a família de um gerente do banco Itaú, em Teresina.

Segundo informações repassadas pelo delegado Tales Gomes, coordenador do Greco, os indivíduos presos foram identificados como Tércio Kleber Pereira Castro, conhecido como Leno, Marcelo Santos, Amaury França Silva Lopes, conhecido como Barba, Carlos Lima Araújo, conhecido como Carlinhos de Campo Maior, Marcos de Sousa Alves, conhecido como Marquinhos Perneta, e Thiago Lima Vieira.

  • Foto: Divulgação/GrecoSeis homens foram presos suspeitos de sequestrar a família de um gerente bancário.Seis homens foram presos suspeitos de sequestrar a família de um gerente bancário.

O grupo teria mantido a família em cativeiro das 19h30 de terça-feira (7) até 15h30 dessa quarta-feira (8), após o gerente sair da agência bancária no Centro de Teresina.

“Após o minucioso trabalho de investigação, nossas equipes fizeram abordagem a um Polo na Avenida Joaquim Nelson, onde foram presos os três primeiros investigados citados com o dinheiro do resgate”, comentou o delegado Tales Gomes.

  • Foto: Divulgação/GRECOObjetos apreendidos pelos policiais em poder dos criminosos.Objetos apreendidos pelos policiais em poder dos criminosos.

As investigações seguiram e, após abordagem e troca de tiros com os ocupantes de um veículo modelo Hyundai HB20, efetuaram-se as prisões dos demais investigados, bem como foi apreendida uma pistola 380, um revólver calibre 38, falsos explosivos que foram usados nos familiares do gerente, além de outros objetos e veículos utilizados durante o ato criminoso.

“Os investigados foram autuados pelos crimes acima citados e encaminhados à Central de Flagrantes, à espera de decisão judicial”, relatou o coordenador do Greco.

Mais na Web