Polícia

Homem é condenado a 9 anos de prisão por tentativa de homicídio em Oeiras

Viterbino Francisco de Oliveira, conhecido como “Telbino”, foi condenado a pena na última sexta-feira (22).
  • LETÍCIA DUTRA
27/10/2021 17h18 - atualizado

Nessa sexta-feira (22), Viterbino Francisco de Oliveira, conhecido como “Telbino”, foi condenado a 9 anos e 4 meses de reclusão pelo crime de tentativa de homicídio qualificado contra Ivan Avelino Borges da Silva, conhecido como “Papinha”, na cidade de Oeiras, Piauí.

O Ministério Público do Estado do Piauí (MPPI), representado pelo promotor de justiça José Sérvio de Deus Barros obteve a condenação do acusado que cumprirá a pena em regime inicial fechado.

Conforme o MPPI, o caso aconteceu por volta de 18h:30 do dia 06 de julho deste ano, quando a vítima junto a três amigos estavam no local onde funciona o balneário e bar do acusado. Viterbino Francisco desferiu um golpe de faca que atingiu o abdômen de Ivan Avelino. De acordo com a acusação, a motivação do crime seria o ciúme do acusado, pois o mesmo acreditava que a vítima havia assediado sua companheira.

Segundo os exames realizados por Ivan Avelino, foi constato que a facada provocou perfuração no abdômen causando risco de morte. Duas intervenções cirúrgicas ainda foram realizadas para conter a hemorragia interna.

Conforme o MPPI, a defesa técnica de Viterbino Francisco apresentou duas teses absolutórias alegando legítima defesa, e desclassificatórias, afirmando que o crime não foi praticado com a intenção de matar, não apresenta motivação ligada a violência emocional, além de alegar injusta provocação da vítima e classificando que o ciúme não é classificado como motivo fútil. Ambas as teses foram negadas pelo Tribunal Popular.

O promotor de Justiça José Sérvio, destacou durante sessão do Tribunal do Júri que o julgamento seguiu conforme esperado.

 “O resultado do julgamento foi excelente. Os jurados compreenderam o fato e as circunstâncias concretas da imputação feita ao réu, bem como as provas e indícios que amparam a acusação”, finaliza José Sérvio.

Mais na Web