Saúde

HUT introduz terapia a laser no tratamento de feridas crônicas

O HUT agora dispõe de dois aparelhos de laser de baixa intensidade que auxiliam no processo de cicatrização.
14/08/2021 17h10

Desde o início de agosto, o Hospital de Urgência de Teresina, Prof. Zenon Rocha (HUT), através do seu Núcleo de Estomaterapia passou a usar a laserterapia no tratamento complementar avançado de feridas de diversas etiologias como a venosa, arterial, diabética, queimaduras, cirúrgicas, deiscências, traumáticas, dentre outras.

O HUT agora dispõe de dois aparelhos de laser de baixa intensidade que auxiliam no processo de cicatrização.

  • Foto: Ascom/FMSLaserterapiaLaserterapia

Criado em fevereiro desse ano, o Núcleo de Estomaterapia do HUT atende os usuários da unidade com lesões agudas ou crônicas, simples ou complexas com o objetivo de melhorar a qualidade da assistência dos pacientes portadores de feridas e estomas, minimizar as complicações, tempo de internação e reduzir custos do tratamento.

Para o diretor do HUT, Fábio Marcos, a laserterapia é uma inovação para o serviço público de saúde de Teresina. “É mais um de nossos muitos investimentos em tecnologia. Estamos em busca de melhores processos e procedimentos que minimizem as dores e tratamentos e tragam maior conforto e segurança a todos os nossos pacientes”, destacou.

A enfermeira responsável pela Laserterapia no HUT, Cliciane Furtado, ressalta que já usava um laser próprio, e com os dois novos aparelhos, os atendimentos poderão contemplar todo o Hospital.

  • Foto: Ascom/HUTCliciane FurtadoCliciane Furtado

“O laser é um importante aliado no processo de cicatrização de feridas e de processos inflamatórios, além da melhor cicatrização vai evitar uma série de amputações e dores que uma ferida pode provocar”, pontua.

Tratamento

O tratamento é totalmente indolor e consiste na irradiação sobre a ferida, de energia luminosa que é absorvida pelas células provocando estimulações biológicas que torna mais rápida a cicatrização de lesões crônicas, como aquelas comuns em diabéticos e que muitas vezes geram infecções.

Mais na Web