Polícia

Irmã do vereador Neto do Angelim é alvo da Operação Tertium

A operação foi deflagrada na manhã de hoje (22) pela Delegacia de Combate à Corrupção (Deccor) e cumpriu mandados de busca e apreensão contra servidores da Prefeitura de Teresina.
22/12/2020 11h07 - atualizado

Na manhã desta terça-feira, 22 de dezembro, a Polícia Civil do Piauí, por meio da Delegacia de Combate à Corrupção (Deccor), deflagrou a Operação Tertium, que cumpriu mandados de busca e apreensão contra servidoras da Prefeitura de Teresina.

Os alvos da operação foram: Edilene Bezerra, irmã do vereador Neto do Angelim, Reginalda Araújo, advogada, e Teresinha Alves dos Santos, contadora. Reginalda e Teresinha são servidoras da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semam).

De acordo com a Polícia Civil, também foram alvos da operação organizações privadas que receberam recursos públicos da Prefeitura de Teresina. As investigações apontam indícios de que alguns projetos não eram executados, sendo que uma das organizações teria recebido recursos públicos no valor de R$ 1 milhão somente entre os anos de 2018 a 2020, sem dispor de qualquer capacidade técnica ou operacional.

A investigação apontou ainda que alguns servidores de órgãos vinculados à prefeitura teriam facilitado a liberação dos recursos e se beneficiado com parte dos valores.

A operação contou com policiais da Deccor, Delegacia Especializada em Prevenção e Repressão a Entorpecentes (Depre), Gerência de Polícia Especializada (GPE), Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco), Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e auditores do Tribunal de Contas do Estado (TCE-PI). A investigação da Polícia Civil teve apoio da Diretoria de Inteligência (DINT).

Outro lado

A assessoria do vereador Neto do Angelim emitiu uma nota sobre o assunto, esclarecendo que Edilene Bezerra presta assessoria à entetidades sociais na elaboração de projetos e não na execução dos mesmos.

Confira a nota abaixo na íntegra:

A assessoria do vereador Neto do Angelim esclarece que Edilene Bezerra é assistente social, servidora pública e presta assessoria à entetidades sociais na elaboração de projetos e não na execução dos mesmos.
Ao contrário do que foi divulgado, Edilene Bezerra não foi detida, está em casa e se encontra a disposição dos órgãos de fiscalização e controle no intuito de colaborar plenamente com a operação policial no esclarecimento dos fatos.

Mais na Web