Geral

Marcelo Odebrecht diz em email que Dilma sairia presa do Planalto

Em um e-mail de dezembro de 2014, ele escreve a seus executivos que a postura de Dilma a condenaria à "morte/impeachment”. Marcelo afirma que era preciso “fechar a caixa de Pandora”.
  • NATHALIA CARVALHO
27/08/2019 14h20 - atualizado

Novos e-mails entregues por Marcelo Odebrecht revelam detalhes da participação do então presidente da empreiteira em um esquema de corrupção na Petrobras durante o governo de Dilma e Lula. A informação é do O Antagonista.

Marcelo Odebrecht reclamava da posição da ex-presidente Dilma Rousseff diante do avanço da Lava Jato. Em um e-mail de dezembro de 2014, ele escreve a seus executivos que a postura de Dilma a condenaria à "morte/impeachment". Ainda no arquivo, Marcelo afirma que era preciso “fechar a caixa de Pandora” em referência às contas na Suíça.

O então presidente da Odebrecht estava certo de que executivos da Camargo Corrêa, da OAS e da UTC estavam trabalhando em acordo que prejudicariam Dilma e Lula. No mesmo e-mail alertou ainda, seus executivos sobre a aproximação de uma nova operação que aconteceria em 2015 que prenderia 60 pessoas, o que demonstrou que Marcelo tinha acesso a informações da investigação. Já no início de fevereiro, a troca de e-mails mostra Marcelo em tom mais sério ao afirmar que Ricardo Pessoa (UTC) e César Mata Pires (OAS) estavam “realmente dispostos a entregar todos eles (Lula, JW, Dilma...)”.

Marcelo ainda previa um destino mais trágico para a então presidente da República. “Ilusão alguém achar que morreriam sozinho (sic) quando tudo o que fizeram foi sob liderança do governo! A CCCC também está avançando bem na delação. Não haverá impeachment, teremos em breve ela saindo algemada do Planalto!”, escreveu.

Mais na Web