Política

Merlong manteve 300 servidores fantasmas na Segov, dispara Robert Rios

A acusação foi feita hoje (14) na Alepi pelo deputado Robert Rios (DEM). Segundo o deputado estadual, esse seria o motivo de a prestação de contas da primeira parcela não ter sido aprovada.
VITOR FERNANDES
DE TERESINA
14/05/2018 17h55 - atualizado

O deputado Robert Rios (DEM) contestou hoje (14), na Assembleia Legislativa do Piauí, uma afirmação feita pelo ex-secretário de Governo do estado, Merlong Solano. O atual suplente de deputado federal havia afirmado que a oposição tem trabalhado sistematicamente contra a vinda de empréstimo para o Piauí.

  • Foto: AlepiDeputado Robert Rios (PDT).Deputado Robert Rios (DEM).

Robert Rios vem denunciando supostas irregularidades na aplicação da primeira parcela do empréstimo obtido pelo governo estadual junto à Caixa Econômica Federal (CEF). Ele  disse que a declaração de Merlong não procede pois a oposição votou por unanimidade a favor do empréstimo que totaliza pouco mais de R$ 600 milhões, mas afirma que não aceita que os recursos sejam desviados para a compra de votos.

  • Foto: Marcelo CardosoMerlong SolanoMerlong Solano


O deputado estadual acusou Merlong Solano de ter mantido 300 servidores fantasmas na Secretaria de Governo e reafirmou que os recursos do empréstimo não foram aplicados em obras em benefício da população. Segundo ele, foi por isso que a prestação de contas apresentada pelo poder executivo do estado não foi aprovada pelos órgãos de fiscalização.


O deputado Rubem Martins (PSB) afirmou que o governo não tem interesse de que a Alepi aprove requerimento apresentado pela oposição para que seja formada uma comissão de parlamentares com o objetivo de acompanhar a aplicação dos recursos do empréstimo. Já o deputado Dr. Pessoa (PSD) disse que o governo deve mostrar as obras que diz ter realizado com o dinheiro do empréstimo.

Robert Rios acrescentou que a oposição espera que a segunda parcela do empréstimo seja liberado pela CEF, porque o Governo não poderá mais transferir os recursos para a conta única do estado como teria feito com a primeira parcela.

“Além do mais, a aplicação do dinheiro terá de ser feita nas obras constantes da relação apresentada à Caixa Econômica e será fiscalizada pelos deputados”, ressaltou o parlamentar do DEM.

Outro lado

O Viagoraligou para o escritório de Merlong Solano na tarde de hoje (14), mas as ligações não foram atendidas. O portal está aberto a esclarecimentos posteriores.

Mais na Web