Piauí

Moradores do Parque Rodoviário ainda esperam reconstrução de casas

Além dos moradores que perderam suas casas, os comerciantes do bairro ainda esperam um ressarcimento por parte do Poder Público acerca dos altos prejuízos que tiveram com a tragédia.
28/01/2021 06h41 - atualizado

A tragédia que acometeu o bairro Parque Rodoviário, situado na zona Sul de Teresina, completa dois anos no próximo dia 4 de abril. Apesar do tempo, a população afetada pela enchente ainda enfrenta uma série de problemas.

  • Foto: Hélio Alef/ViagoraTragédia no Parque RodoviárioTragédia no Parque Rodoviário.

Em entrevista ao Viagora, Maria José Pereira, comerciante do bairro, afirmou que não recebeu ajuda da Prefeitura de Teresina mesmo com o prejuízo de ter perdido eletrodomésticos e mercadorias do comércio, que foram danificados pela enchente.

“Meu comércio aqui já tem 32 anos de existência e nós tomamos muito prejuízo com a tragédia. Perdemos geladeira, freezer, tudo. Ficou tudo revirado, virou um lamaçal. Perdemos toda a nossa mercadoria aqui do comércio. Não sei dizer o valor exato do prejuízo, mas foi um valor altíssimo. Nós estamos esperando aqui no Senhor, porque de autoridade, não tivemos nada. Não tivemos ajuda da prefeitura de jeito nenhum”, declarou.

  • Foto: Luís Marcos/ViagoraMaria José, comercianteMaria José, comerciante do bairro.

Maria José comentou que, na época da tragédia, chegou a fazer um cadastro com uma equipe da administração municipal, mas que apesar de algumas pessoas do bairro terem recebido recursos, a ajuda nunca chegou para ela e o marido.

“Na época do acontecido, chegaram a fazer nosso cadastro. Fizeram promessas para a gente, só que até hoje, não tivemos nenhuma posição. Eu espero muito que essa ajuda financeira chegue para a gente algum dia, ainda tenho esperança”, completou.

  • Foto: Luís Marcos/ ViagoraRua do parque rodoviárioParque Rodoviário dois anos após a tragédia que assolou o bairro.

Além dos prejuízos relatados pela comerciante, moradores do bairro que perderam suas casas na tragédia reclamam que a reconstrução das residências ainda não aconteceu e os que foram contemplados com aluguel custeado pelo Programa Cidade Solidária, da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), temem ser despejados pelo atraso nos pagamentos.

A Semcaspi divulgou uma nota de esclarecimento, afirmando que não existem ordens de despejos que possam afetar os moradores e que o pagamento dos aluguéis será realizado ainda neste mês.

  • Foto: Luís Marcos/ ViagoraRua do parque rodoviárioRua do Parque Rodoviário

Confira a nota na íntegra:

A Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), reforça que vai reiniciar o pagamento dos aluguéis, inclusive, o referente ao mês de dezembro de 2020, oferecido às famílias atingidas pela enxurrada no Parque Rodoviário, zona Sul de Teresina.

A iniciativa faz parte do Programa Cidade Solidária e a liberação do pagamento será feita o mais célere possível, dentro da legalidade e obedecendo todos os trâmites burocráticos necessários.

A Semcaspi esclarece que a liberação do pagamento só foi possível após a nomeação da titular da Gerência de Proteção Social (GPSB), a gerente executiva, Valderez Veira da Paz Mendes, o que aconteceu na manhã de hoje (26), com a divulgação da portaria no Diário Oficial Eletrônico do Município de Teresina.

Além disto, a Semcaspi afirma que não há ordem de despejo a estas famílias assistidas pelo Programa Cidade Solidária e que todo o pagamento dos aluguéis ocorre sempre após o fechamento do mês, ou seja, o mês de dezembro será pago, exatamente, em janeiro de 2021, sem nenhum prejuízo a elas.

Mais na Web