Piauí

MP realiza inspeção no Hospital Getúlio Vargas em Teresina

O objetivo da inspeção, realizada na manhã desta terça-feira (5), foi verificar a suspensão de transplantes renais, bem como a falta de insumos e medicamentos.
  • DA REDAÇÃO
05/11/2019 18h55 - atualizado

Na manhã desta terça-feira (5), o Ministério Público do Estado do Piauí, por meio da 12ª Promotoria de Justiça, realizou inspeção de rotina no Hospital Getúlio Vargas (HGV) em Teresina. O objetivo foi verificar a suspensão de transplantes renais, que deixaram de acontecer desde maio deste ano, bem como a falta de insumos e medicamentos.

A equipe que acompanhou a visita foi composta pelo promotor de Justiça Eny Pontes, o assessor Renan Barros, o diretor técnico do HGV, Fábio de Sousa, o diretor administrativo do hospital, Fernando Vasconcelos, a coordenadora do centro de Nefrologia, Celina Teresa, além da presidente do Conselho Regional de Enfermagem (Coren), Tatiana Veloso, e da fiscal do Coren, Amparo Vieira.

  • Foto: Divulgação/MPPIMP se reúne com equipe do HGV para realizar inspeção no hospital.MP se reúne com diretoria do HGV para realizar inspeção no hospital.

Durante a visita, um dos pontos verificados foram as necessidades estruturais para a retomada dos transplantes renais, bem como o monitoramento dos estoques, o que comprovou a dificuldade em abastecer as necessidades do HGV.

Segundo o diretor administrativo do hospital, o estoque de insumos e medicamentos deverá ser renovado nas próximas emanas. “Nós temos cerca de R$ 9 milhões liberados para isso, que deve ser realizada até o dia 15 de novembro”, justificou Fernando Vasconcelos.

Para o promotor Eny Pontes, existe um visível esforço da gestão e dos profissionais para proporcionar qualidade no atendimento aos pacientes, mas ainda há falhas na comunicação entre o hospital e o MP.

“Nós não fomos informados pelos gestores sobre a suspensão das cirurgias. Ficamos sabendo por uma paciente que, em janeiro, já estava com tudo pronto para realizar o transplante e não o fez por falta de insumos. Fazer diálise é um sofrimento físico e mental para os pacientes. Imagine ter a dependência do transplante prolongada”, enfatizou Eny Pontes.

Também foram inspecionadas as instalações, a reforma e a climatização do HGV que, segundo o promotor, já apresenta melhoras, mas ainda há muito trabalho a ser realizado.

Em reunião ao final da visita, os gestores apontaram problemas acerca da produtividade paga aos médicos, informando que já houve diálogo para modificar as escalas de trabalho. “Sobre isto, o Ministério Público vai continuar acompanhando e realizaremos em breve uma audiência reunindo médicos e administração do hospital”, informou o promotor.

Mais na Web