Piauí

Número de empresas no Piauí que cumprem a lei de contratação é baixo

Em 2020, um levantamento realizado pela pesquisa da Catho, aponta que a pandemia do novo coronavírus tem dificultado a procura por emprego para 93% dos respondentes.
12/12/2020 15h00 - atualizado

O número de empresas no Piauí, que cumprem a lei de contratação de Pessoas Com Deficiências (PCD), é baixo, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

De acordo com os dados, em 2019, apenas metade das vagas destinadas a este público no Piauí foram preenchidas, totalizando cerca de 56%.

Já em 2020, um levantamento realizado pela pesquisa da Catho, aponta que a pandemia do novo coronavírus tem dificultado a procura por emprego para 93% dos respondentes. Para 69%, justamente a falta de oportunidades é a maior barreira profissional enfrentada por eles.

O Caged, aponta que, mesmo com a redução de empresas que cumprem a lei de contratação de PCD’s, o número de cargos ocupados por deficientes registrados em 2019 é o maior, nos últimos quatro anos.

A técnica de enfermagem da Clínica Dmi, Luciana dos Reis, tem nanismo e, trabalha no setor de ressonância magnética. Ela comenta a importância da valorização e inclusão de deficientes no quadro de colaboradores na empresa.

“A pessoa com deficiência se sente derrotada, inválida e que não tem utilidade. Uma empresa como essa vem e oferece oportunidades, com isso os funcionários com deficiência se sentem mais dignos e mais confiantes e, assim conseguir comprar suas coisas e planejar um futuro”, relata Luciana.

  • Foto: Divulgação/AscomTécnica de enfermagem da Clínica Dmi, Luciana dos Reis.Técnica de enfermagem da Clínica Dmi, Luciana dos Reis.

As cotas para deficientes são determinadas pela lei 8213/91 em seu artigo 93: Art." 93. A empresa com 100 ou mais empregados está obrigada a preencher de 2 a 5% dos seus cargos com beneficiários reabilitados ou pessoas portadoras de deficiência, habilitadas."

Mais conteúdo sobre:

Mais na Web