Polícia

PRF-PI prende acusada de tráfico em ônibus coletivo na BR 343

Agentes prenderam, com ajuda de cães farejadores, uma mulher de 45 anos que transportava 3,0 KG de uma substância que apresentava características semelhantes à Skank na noite desta segunda-feira (15).
16/04/2019 07h54

Nesta segunda-feira (15), agentes da PRF prenderam, com ajuda de cães farejadores, uma mulher de 45 anos que transportava 3,0 KG de uma substância que apresentava características semelhantes à Skank e 1,0 KG de substância análoga à maconha por volta das 21h na BR 343 KM 333,0 em Teresina.

De acordo com a PRF, a passageira informou aos agentes que havia recebido a mala com o ilícito de um desconhecido em Brasília/DF e que o produto tinha destino final a cidade de Fortaleza/CE, onde uma pessoa a abordaria para receber a encomenda.

  • Foto: Divulgação/PRFA prisão aconteceu na noite desta segunda-feira (15).A prisão aconteceu na noite desta segunda-feira (15).

Sobre a droga

A Skank (também conhecida como supermaconha e skunk) é uma droga mais potente que a maconha, ambas são retiradas da espécie Cannabis sativa e, por esse motivo, possuem em suas composições o mesmo princípio ativo - THC (Tetra-hidro-canabinol). Segundo estudos, no skank há um índice de THC sete vezes maior que na maconha. A porcentagem chega até 17,5%, sendo que na maconha é de 2,5%. Sendo assim, a quantidade necessária para entorpecer o indivíduo é bem menor. A espécie Skank é mais entorpecente que a maconha, seu uso leva a alterações da serotonina e da dopamina no organismo, e fazem o indivíduo ter dificuldades de concentração por provocar danos aos neurônios. Provoca também lapsos de memória e afeta a coordenação motora. Em geral, os efeitos da droga Skank são semelhantes aos da maconha: excitação, aumento de apetite por doces, olhos vermelhos, pupilas dilatadas, alucinações e distúrbios na percepção de tempo e espaço.

A passageira e a mala com as substâncias ilícitas foram encaminhadas para a Central de Flagrantes para os procedimentos cabiveis, informou a PRF.

Mais na Web