Política

“Queremos aumentar a bancada”, diz Marcos Aurélio sobre MDB em 2022

O deputado federal ressalta que a sigla vem buscando nomes que contribuam para o crescimento do partido.
02/08/2021 17h00 - atualizado

Nesta segunda-feira (02), o deputado federal Marcos Aurélio Sampaio (MDB), falou sobre a manutenção das regras eleitorais para o próximo ano e estratégias da sigla para as próximas eleições.

De acordo com Marcos Aurélio, independente da regra eleitoral vigente nas eleições, o Movimento Democrático Brasileiro (MDB) busca aumentar cada vez mais a bancada.

  • Foto: Luis Marcos/ ViagoraDeputado Federal Macos Aurélio SampaioDeputado Federal Macos Aurélio Sampaio

“O MDB é um partido muito forte, histórico, com bons nomes, bons quadros, que independente da regra eleitoral que esteja vigente na eleição, nós queremos é aumentar a nossa bancada, a federal, estadual pro MBD sair cada vez mais fortalecido e poder representar bem o piauiense, aquele que mais representa o MDB”, frisou.

O deputado ressalta que a sigla vem buscando nomes que contribuam para o crescimento do partido e que fortaleçam a chapa, como o caso do deputado Flávio Nogueira.

“Muitos nomes ainda vão ser convidados, propostas ainda vão ser feitas e nós queremos trazer bons nomes de homens e mulheres candidatas que tenham voto, que tenham propostas boas para o Piauí e para o Brasil”, destacou.

Eleições 2022

De acordo com o parlamentar, o foco para o próximo ano, no momento certo, será trabalhar a candidatura a reeleição para deputado federal.

“O nosso nome vai novamente primeiro para o crivo partidário e depois se a provado pelo partido, pelo crivo popular. Tenho sim o desejo de no momento certo me candidatar à reeleição. Nossa prioridade vai ser nossa candidatura à reeleição”, pontuou.

Voto impresso

Conforme o presidente Jair Bolsonaro, o modelo de urnas eletrônicas não é confiável, e deseja que a partir da eleição presidencial de 2022, os números que cada eleitor digita na urna eletrônica sejam impressos e que os papéis sejam depositados de forma automática numa urna de acrílico. A ideia dele é que, em caso de acusação de fraude no sistema eletrônico, os votos em papel possam ser apurados manualmente.

O deputado Marcos Aurélio, destaca que a proposta defendida pelo presidente Bolsonaro é válida, mas acredita que será difícil ser aprovada pelo crivo do Congresso Nacional.

“Na minha avaliação é um pouco difícil de passar, primeiro por causa do prazo de mudança de centenas de milhares de urnas eletrônicas, também pelo processo eleitoral do TSE ser um processo muito limpo e transparente, algo que é auditável por todos os partidos e por toda a sociedade civil e que até agora não houve nenhuma prova de fralde. O próprio presidente da República em sua live da semana passada disse que não tem provas. Nós queremos é que a eleição seja ajusta e que não há preço para a democracia, qualquer investimento pra prezar a democracia é válido, porém essa questão do voto auditável é difícil passar no Congresso", pontuou.

Mais na Web