Coronavírus no Piauí

Segunda dose da vacina é essencial contra a Covid-19, diz Sesapi

De acordo com o secretário de saúde, Florentino Neto, a vacina aumenta a proteção contra a Covid-19 e a segunda dose ajuda a prolongá-la.
30/06/2021 17h21 - atualizado

A Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) alerta que é preciso tomar a segunda dose da vacina para completar o esquema de proteção contra o coronavírus.

Segundo a Sesapi, até agora, 978.912 piauienses tomaram a primeira dose dos imunizantes e apenas 341.348 tomaram a segunda dose. Muitos brasileiros não voltaram para completar o esquema de imunização do coronavírus, o que é considerado um risco o abandono vacinal.

De acordo com o secretário de saúde, Florentino Neto, a vacina aumenta a proteção contra a Covid-19 e a segunda dose ajuda a prolongá-la.

“Se não tiver a picada de reforço, a pessoa fica menos resguardado contra o coronavírus. A vacina é a nossa única maneira de superarmos essa pandemia, e assim termos a retomada da normalidade no nosso dia a dia. Por isso, reforçamos para que todos façam a segunda dose”, afirma o gestor.

O intervalo recomendado entre a aplicação da dose um e dose dois da Coronavac é de 28 dias, e da AstraZeneca e Pfizer, de 12 semanas. Estes laboratórios optaram por duas doses porque a resposta clínica era melhor com a aplicação de uma dose de reforço. A única vacina distribuída no Brasil e aplicada apenas uma vez é a da Janssen. A fabricante informou que considerou satisfatórios os resultados de pesquisa com apenas uma dose da vacina.

Florentino explica que por mais que a primeira dose da vacina ofereça uma pequena proteção, não é suficiente. “Quem não toma as duas doses da vacina não está protegido e ainda pode ficar com falsa sensação de segurança e não contribui para o controle da pandemia. Por isso, reforçamos o pedido para que a população não se esqueça de retornar para tomar a segunda dose”, pede o gestor.

Mais na Web