Piauí

Servidora do Tribunal Regional do Trabalho morre de Covid-19 em Teresina

Mônica Santos Rocha Sobral era servidora do TRT-PI desde 2008 e atualmente atuava na Coordenadoria de Orçamento e Finanças.
08/08/2021 12h07 - atualizado

Nesse sábado, 7 de agosto, a servidora do Tribunal Regional do Trabalho do Piauí (TRT-PI), Mônica Santos Rocha Sobral, de 46 anos, morreu em decorrência de complicações da Covid-19 em Teresina.

Segundo nota divulgada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal do Piauí (Sintrajufe-PI), a servidora ingressou no tribunal por meio de concurso público em 2008 e foi lotada inicialmente na cidade de Piripiri, sendo transferida para a Coordenaria de Orçamento e Finanças, em Teresina, no ano de 2011.

  • Foto: DivulgaçãoMônica Santos Rocha Sobral, de 46 anos, morreu de Covid-19 em Teresina.Mônica Santos Rocha Sobral, de 46 anos, morreu de Covid-19 em Teresina.

A nota informa ainda que Mônica estava trabalhando presencialmente desde outubro de 2020, por opção própria, e que já havia sido vacinada contra a Covid-19 em 5 de julho, última vez em que esteve no tribunal. A servidora deixa um filho.

Confira a nota na íntegra:

O Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal do Piauí – SINTRAJUFE – cumpre o doloroso dever de comunicar o falecimento da servidora do Tribunal Regional do Trabalho Mônica Santos Rocha Sobral, ocorrido neste sábado – 7 de agosto – vítima da COVID-19. Ela tinha 46 anos de idade, deixou um filho e uma profusão de sonhos não realizados.

Mônica ingressou no TRT pela estreita e honesta porta do concurso público em 2008, sendo lotada inicialmente na Vara do Trabalho de Piripiri. Em 2011 foi lotada na Coordenadoria de Orçamento e Finanças, em Teresina, onde trabalhou nos últimos 10 anos na Folha de Pagamento do TRT. Sempre atendia a todos e todas com presteza e cordialidade. Segundo seus colegas, Mônica vinha trabalhando presencialmente desde outubro de 2020, por opção própria e também por dificuldades de adaptação ao trabalho remoto. A última vez em que esteve no Tribunal foi no dia 5 de julho, mesmo dia que se vacinou e provavelmente já tinha contraído o vírus.

Ao tempo em que manifesta votos de profunda dores tristeza aos familiares, amigos e colegas de trabalho por essa perda irreparável, o SINTRAJUFE tem por obrigação alertar à alta administração da CORTE de que o retorno açodado ao trabalho presencial, determinado pelo Ato GP 92/2021 – questionado judicialmente pelo SINTRAJUFE, que impetrou Mandado de Segurança, distribuído ao Desembargador Manoel Edilson Cardoso - pode contribuir para que casos lancinantes como esse se proliferem no Tribunal.

O serviço que Mônica desenvolvia, com zelo e profissionalismo, certamente será reposto; a sua vida, infelizmente, não! É preciso evitar que a nossa querida colega seja apenas mais um número nessa desumana estatística de centenas de milhares de mortes em um país sem vacina, sem cuidados e sem respeito à vida.

Mais na Web