Geral

Setor da construção civil pode gerar mais de 200 mil vagas de empregos

Em 2020, foi o segmento que mais abriu novos postos de trabalho e as projeções para este ano seguem positivas.
  • LAÍS VITÓRIA
09/02/2021 17h40

O setor da construção civil foi o que mais abriu vagas de empregos com carteira assinada e também para profissionais informais e autônomos, em um ano que necessitou de readequação e muita inovação para dar fluxo às demandas.

As oportunidades surgiram em meio às adversidades e garantiram renda, bem-estar e boa saúde econômica para o país. Com esses dados bastante satisfatórios para um período de pandemia, especialistas projetam que o segmento possa gerar mais 200 mil vagas de empregos em 2021. Isso deve acontecer após a superação da falta e aumento nos valores dos principais insumos para as atividades do setor.

De acordo com o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon Teresina), Francisco Reinaldo, os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e o próprio Cadastro Geral de Emprego e Desemprego (Caged) mostraram desempenho crescente em meio a um ano atípico.

Francisco destaca que segundo a Pesquisa Nacional Contínua por Amostra de Domicílios (PNAD), houve o registro de crescimento ocupacional em quatros atividades em 10 categorias e, entre elas, a construção civil teve a maior alta: 10,7%.

“Ultrapassando a questão da escassez e alta dos preços nos materiais, nosso setor como um todo tende a continuar em ascensão este ano, gerando mais 200 mil empregos no Brasil”, avalia Francisco.

Ainda de acordo com dados da PNAD, devido à maior flexibilização das medidas de isolamento social e o retorno gradativo das pessoas às funções laborais (no trimestre setembro-outubro-novembro), a construção provocou a aparição de 457 mil novos postos de trabalho.

O número de pessoas trabalhando no país cresceu 4,8% no período analisado. Houve a introdução de 3,9 milhões de pessoas no mercado de trabalho. Peça-chave para uma boa economia, geração de empregos e consequente renda para os estados e municípios brasileiros, o segmento se adequou ao cenário, traçando estratégias e metas de atuação para continuar contribuindo com a sociedade.

Mais na Web